A última tentativa pelo ingresso

A última tentativa pelo ingresso

» ISA STACCIARINI
postado em 12/07/2014 00:00
 (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)


Na véspera do último jogo da Copa do Mundo no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, fãs encararam fila no Centro de Convenções Ulysses Guimarães para comprar ingressos da partida. A disputa, que começa às 17h entre Brasil x Holanda, vai definir o terceiro lugar no Mundial. Ontem, quem tentava ainda um lugar para assistir ao duelo na arquibancada da arena aguardava até três horas em pé. A demora e a falta de paciência de alguns torcedores atraíram cambistas que ofereciam os bilhetes em dólar e real. A oferta de pessoas que comercializavam os tíquetes variava de US$ 500 até R$ 1,2 mil. Os preços dos bilhetes originais, oferecidos pela Fifa, vão de R$ 160 (categoria 4) a R$ 660 (lugares especiais).

A volta da Seleção para Brasília, mesmo na disputa pelo terceiro lugar, animou aqueles que não viram nenhum jogo do torneio no estádio. Durante a tarde de ontem, nenhum ingresso no site da Fifa aparecia disponível para compra. Pessoalmente, porém, muitos brasileiros e estrangeiros conseguiram adquirir o bilhete. O Centro de Distribuição de Ingressos abriu às 9h, e até às 17h30 1.214 pessoas passaram por lá para comprar ingressos. Fora do espaço, no entanto, 200 torcedores aguardavam a chance de ir ao estádio. O local fechou às 21h.

O empresário Pedro Machado, 55 anos, esperou, aproximadamente, uma hora e meia na fila para conseguir dois ingresso. Às 17h15, ele saiu com um bilhete em mãos. A expectativa era de ir com a esposa ao estádio, mas, como comprou os tíquetes de última hora, Pedro se contentou em ir sozinho. ;Só não quero ver tantos gols da Holanda;, brincou. ;Mas vou de verde e amarelo e torcerei pela nossa Seleção. O Brasil perdeu só um jogo. Claro que ninguém queria ver o Brasil disputando um terceiro lugar, mas foi o jeito;, defendeu.

A administradora Mariete Vasquez, 48 anos, encarou a espera por mais de uma hora para levar o filho de 13 anos ao estádio. Ela torcia para conseguir pelo menos dois ingressos, mas sabia que não seria fácil. ;Em cima da hora é difícil, mas meu filho não quer perder um jogo da Seleção em Brasília. Acreditamos que uma partida do Brasil no Mané Garrincha vale mesmo depois da derrota para a Alemanha. Agora, é torcer pelo terceiro lugar;, destaca.

Por outro lado, a derrota do time canarinho no último jogo deixou muitos brasileiros descontentes. Diante da desanimação, vários torcedores tentavam vender os próprios ingressos para quem aguardava a chance na fila. Foi o caso do dentista Sérgio Marques, 33 anos. Ele ia ao jogo com a esposa e os dois cunhados, mas os irmãos da mulher desistiram depois do massacre que a Seleção sofreu na terça-feira. Sérgio, no entanto, segue animado. ;Minha esposa quer muito ir a um jogo do Mundial, e eu vou com ela. É uma pena que vamos ver o Brasil na disputa pelo terceiro lugar. Eu pensava que iria assistir a um jogo entre Alemanha e Argentina;, conta. Apesar de triste, o dentista vai torcer pelo time brasileiro. ;Vou com a camisa do Brasil.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação