Biff reformatado

Biff reformatado

Com representantes de 11 países em competição, o 3º Festival Internacional de Cinema está de casa nova, com projeções no Cine Brasília, além das atrações no Cine Cultura Liberty Mall

Ricardo Daehn
postado em 12/07/2014 00:00




Se em campo pesa o dilema da eterna rivalidade futebolística, no terreno da arte, a Argentina é mais do que bem-vinda. Isso é o que indica a seleção do terceiro Festival Internacional de Cinema de Brasília (Biff), previsto para o período entre 28 de agosto e 6 de setembro, com programação completa ainda a ser divulgada. Já conhecido dos brasilienses, com a comédia Meu primeiro casamento, o diretor portenho Ariel Winograd estará representado entre a dúzia de filmes que, pela primeira vez, serão apresentados no Cine Brasília. Com Vino para robar, Winograd coloca em pedestal um objeto de desejo das mais vistosas da Argentina, aos olhos não apenas de brasileiros: uma garrafa de vinho Malbec. No caso da trama, que incorre em glamour e ostentação, trata-se de uma especiaria de meados do século 19 (acondicionada com forte esquema em Mendoza) e visada por gatunos.

Premiada como melhor filme em Mar del Plata (Argentina), a produção A utilidade de um revisteiro, primeira na carreira do cineasta Adriano Salgado, é outra atração do Biff. Uma reunião de trabalho sem precedentes (com personagens despidas de tato e formalidade) dá impulso às rusgas entre uma cenógafa e sua traumatizada aspirante a assistente, em papéis interpretados por Yanina Gruden e María Uzedo. O espanhol ainda poderá ser ouvido em Conducta, filme cubano que explora a crise com a lacuna deixada por experiente professora que fica doente e distante do problemático aluno Chala, um jovem treinador de cães de briga. Vencedor de prêmio no Festival de Málaga (Espanha), o filme de Ernesto Daranas fala de respeito e incapacidade de comunicação.

Outra professora ; mas, desta vez, de pequena cidade sueca ; encabeça Os perdedores, título também integrado à competitiva do Biff. O primeiro filme da dupla Mattias Johansson e Markus Marcetic (também diretor de fotografia do filme) explora a ligeira obsessão de uma docente por um adolescente desempregado que abraça o espírito de aventura da juventude e dos peculiares comportamentos em grupo ao buscar refúgio em montanhas, num passeio que rende isolamento involuntário. A solidão é ponto em comum com o concorrente grego O eterno retorno de Antonis Paraskevas, dirigido por Elina Psikou, que competiu no Festival de Mar del Plata. Um resort, desocupado no inverno, é peça-chave na trama para o desaparecimento de um famoso apresentador de tevê.

Cobrir muito da trajetória de uma celebridade é a proposta do multipremiado polonês A história de Papusza, passando entre as duas Guerras Mundiais. Morta em 1987, a poeta e cantora Bronislawa Wajs foi o nome verdadeiro da escritora que rompeu padrões da comunidade cigana, superando um casamento arranjado e limitações para ser publicada, numa Polônia comunista em que foi muito apoiada (e amada) pelo parceiro, o autor e tradutor Jerzy Ficowski.

Abordando circunstâncias reais, o francês Allelluia (do belga Fabrice Du Welz) mostra uma versão para a paixão louca entre os criminosos Martha Beck e Raymond Fernandez, mancomunados, em fim dos anos de 1940, nos Estados Unidos. Na trama, estrelada por Lola Dueñas (de Volver) e Laurent Lucas (já indicado ao prêmio César), Gloria aborta mínimos laços sociais, depois de ressabida pelo ciúmes patológico do ex-marido. Mas, num impulso, ela pode até matar por amor doentio, quando entrega os dois filhos à própria sorte.

Privações
Misturando ficção e realidade, o filme norte-americano Em busca do sentido da vida coloca o ator Sol Mason no papel de Clive, privado ; propositadamente ; da fala, da audição e da visão. Dirigido por Marco Ferrari (quase homônimo do veterano Marco Ferreri), enfoca um experimento de ampliação dos sentidos, em contraste com a queda de sua aceitação social.

Esta nova edição do Biff promete desvendar, aos espectadores, existências um tanto conturbadas de personagens. Vencedora do Festival de Filmes de Los Angeles e destacado com Grande Prêmio reservado a jovens diretores em Berlim, a fita do estreante Janis Nords Mãe, eu te amo se fixa no cotidiano do menino Raimonds, morador de república báltica. O peso da verdade e da transparência norteia o roteiro da trama passada na Letônia, em que, para acobertar uma nota ruim na escola, um garoto perde o fio da meada, na capital Riga.

Finalmente, o candidato norueguês ao Biff Eu sou sua trata do cotidiano da mãe solteira (de origem paquistanesa) Mina, em Oslo, ao lado do filho pequeno dela, Felix. A cargo da atriz e diretora Iram Haq, o longa mostra a moça descrente de relações prolongadas e com baixa auto-estima, que se vê apaixonada por um diretor de cinema de Estocolmo.


Três perguntas / Nilson Rodrigues, diretor do Biff



Qual o orçamento do festival e o que dá maior lastro ao evento?
Foram quase duzentas inscrições de longas-metragens vindas de todo o mundo. O Biff se afirmou mundialmente. O orçamento do festival está em R$ 1,9 milhão e temos patrocínios confirmados da Petrobras, da Bancorbras, da Ambev e da Secretaria de Cultura do GDF.

Vocês redimensionaram o Biff. O que muda nesta edição?
Os critérios continuam sendo diversidade geográfica, temática e estética. Não há modificações no formato, há uma mostra competitiva, duas mostras paralelas e uma outra dedicada ao convidado de honra. Alteramos os tipos de mostra. Já fizemos independentes americanos, novo cinema europeu, latina, panorama africano e agora faremos a mostra Panorama Mundi. A curadoria segue coordenada pelo crítico José Carlos Avellar, que também coordenará os debates com os representantes dos filmes da competitiva que estarão aqui. Tudo em formato que deu certo. A única mudança é quanto ao horário dos debates, que agora serão logo após as sessões da mostra competitiva, no Cine Brasília.

Como assegurar a qualidade das projeções no Cine Brasília?
O Cine Brasília é um templo do cinema! Tivemos cerca de 15 mil espectadores, em média, nos dois últimos festivais. Com o Cine Brasília, pretendemos ultrapassar 20 mil. Adequaremos os equipamentos técnicos do Cine Cultura e do Cine Brasília às projeções. Fizemos mais de 250 projeções, nos dois festivais internacionais que realizamos, e sem problemas. Não será dessa vez que teremos. Todos os filmes da mostra competitiva terão presentes seus representantes. Teremos convidados também para as mesas de debates, como Coprodução Brasil-Argentina ; Novas Perspectivas, com a presidente do INCA , o presidente da Ancine, mais dois produtores que têm realizados coproduções, um brasileiro e um argentino. Teremos também a mesa Os Festivais Internacionais e o Espaço do Cinema Latino-Americano, ela terá o diretor da Semana da Crítica de Cannes, a diretora do festival da Havana e o responsável pelo Bafici (

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação