A hora do poeta

A hora do poeta

Ferreira Gullar oficializou a candidatura à Academia Brasileira de Letras. O escritor deve ocupar a vaga de Ivan Junqueira

Diego Ponce de Leon
postado em 12/07/2014 00:00
 (foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press - 9/2/09)
(foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press - 9/2/09)


Embora a eleição ainda não tenha sido realizada, o mundo literário tem como certo o nome a ocupar a vaga deixada pelo poeta e ensaísta Ivan Junqueira (morto em 3 de julho) na Academia Brasileira de Letras (ABL): o poeta, dramaturgo, tradutor e crítico Ferreira Gullar. A única pendência, para encerrar qualquer dúvida, era o próprio Gullar oficializar a candidatura, por meio de carta. Na última semana, o documento foi entregue.

Sem concorrência real, o escritor maranhense será o sétimo ocupante da cadeira 37 da ABL. No passado, entre outros, a vaga foi preenchida por Getúlio Vargas, Assis Chateaubriand e João Cabral de Melo Neto.
Por mera questão de protocolo, outros escritores devem se candidatar à cadeira apenas para constituir uma peleja literária, como pede a etiqueta da academia. A votação que resultará na vitória de Gullar, no entanto, deverá ser unânime. O mineiro Zuenir Ventura e o carioca Antonio Cícero, os únicos outros dois nomes que poderiam provocar algum antagonismo, preferiram não concorrer.

;Publicaram que eu desisti da candidatura. Não foi bem assim. Nem cheguei a cogitá-la, na verdade. Não, desta vez;, revelou Zuenir, em entrevista ao Correio. Segundo ele, ;o pleito da Academia para ter Gullar entre os imortais é antigo;. Assim, o próprio Zuenir endossou a escolha: ;Liguei para ele e disse: ;É a sua hora. Não há motivos para objeção;;.

Foi a segunda vez que Zuenir Ventura deixou de concorrer em detrimento de um colega. No ano passado, o mineiro preferiu apoiar a eleição do jornalista e escritor Antônio Torres. ;Era a terceira tentativa de Torres. Ali, de fato, eu desisti de participar. Com Gullar, não. Era a vez vele. A minha, uma hora aparece;, contou Zuenir, com o humor que lhe é peculiar.

1930
Ano de nascimento do escritor

Gripado

Antonio Cícero, que também esboçou algum interesse pela vaga deixada por Ivan Junqueira, juntou-se ao coro de Zuenir. Procurado pela reportagem, Cícero não hesitou ao apoiar Ferreira Gullar: ;Tenho imensa admiração por ele. Se eu estivesse na Academia, também votaria nele;, contou. O poeta, escritor e filósofo carioca se mostrou satisfeito com a escolha: ;Considero Gullar um dos maiores poetas do Brasil, da língua portuguesa e do mundo. A decisão de aceitar candidatar-se e sua praticamente certa eleição me deixam feliz, tanto pela ABL quanto por ele;.

O único que não pôde compartilhar algumas palavras foi o futuro imortal. Acometido por um forte resfriado, Gullar atendeu ao Correio, mas pediu para cancelar a conversa e, assim, respeitar o pedido de repouso que lhe fora dado. Zuenir achou melhor respeitar o conselho: ;Ele já desistiu da candidatura em cima da hora, algumas vezes. Normalmente, por certa preguiça para encarar todas as formalidades. Melhor não darmos motivo;, brincou.

Considerado, por muitos, o maior poeta brasileiro vivo, Ferreira Gullar, aos 83 anos, deve finalmente atingir à imortalidade. Se não fosse pela ABL, a extensa obra já se encarregaria do mérito.


Algumas obras







Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação