Dieta especializada em mamíferos ancestrais

Dieta especializada em mamíferos ancestrais

postado em 21/08/2014 00:00

Para a maioria das pessoas, a mera menção da palavra jurássico traz à mente a imagem de enormes dinossauros devorando a vegetação ; e uns aos outros. Poucos sabem que mamíferos e seus ancestrais imediatos também já existiam naquele período, entre 201 e 145 milhões de anos atrás, embora fossem criaturas bem menos espetaculares.

No início do jurássico, os então pequeninos mamíferos, que se aparentavam com os atuais mussaranhos, estavam confinados às margens ecológicas, comendo qualquer inseto que poderiam encontrar. Afinal, a boa mesa estaria reservada aos dinos. Contudo, chegou um tempo em que outras características, como audição mais afiada e dentes capazes de mastigar com precisão, começaram a se desenvolver. Isso levanta uma questão: se os primeiros mamíferos eram todos comedores de inseto, onde estava a competição que impulsionou a evolução dessas novas funções?

Para responder a essa pergunta, pesquisadores ingleses estudaram os fósseis desses animais, encontrados em Glamorgan, no sul do País de Gales. Há 200 milhões de anos, a região consistia em uma série de pequenas ilhas no mar continental. Ao analisar a mecânica das mandíbulas e os fósseis dos dentes, a equipe conseguiu determinar que dois dos primeiros mamíferos, o morganucodon e o kuehneotherium, não se alimentavam mais de qualquer tipo de inseto, mas já tinham evoluído para dietas mais especializadas, consumindo duas espécies distintas da iguaria.

;Nenhum dos fósseis dos primeiros mamíferos se preservou excepcionalmente de forma a exibir ainda o conteúdo estomacal, que nos permite inferir sua dieta. Então, em vez disso, usamos diversas técnicas modernas que confirmaram que a diversificação das espécies de mamíferos naquela época estava ligada a diferenças na dieta e na ecologia;, disse Pamela Gill, pesquisadora da Universidade de Bristol. O estudo foi publicado na capa da revista Nature.

Os cientistas usaram radiação de síncrotron e tomografia computadorizada para revelar, em detalhes sem precedentes, a anatomia interna das pequenas mandíbulas dos mamíferos, que têm apenas 2cm de comprimento. Como esses ossos estavam fragmentados, o escaneamento digital as uniu, fazendo uma reconstrução total em 2D. Um tipo de técnica de modelagem usada para desenhar pontes foi aplicada na análise computacional que calculou as dimensões mandibulares. Isso mostrou que o morganucodon e o kuehneotherium tinham diferentes habilidades para pegar e mastigar suas presas.

;A comparação dessas características nos fornece fortes evidências de que os primeiros mamíferos não eram generalistas quanto à dieta;, observou Emily Rayfield, professora da Universidade de Bristol. Essa diversificação permitiu que esses animais fossem se diversificando cada vez mais e adquirindo características sofisticadas que permitiram a eles não apenas sobreviver aos dinossauros, mas se sobressair em comparação aos outros grupos animais até dominarem a Terra, como o fazem até hoje.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação