As diferenças

As diferenças

postado em 21/08/2014 00:00
EUA
  • Estatísticas dos principais países mostram que o tipo de colisão mais frequente e grave é a frontal, motivo pelo qual todas as normas começam por ensaios desse tipo de acidente. Nos Estados Unidos, a norma que estabelece os procedimentos do teste é o Padrão de Segurança Federal de Veículos Automotores 208 (FMVSS 208), determinado pelo National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), que é o instituto de segurança rodoviária dos EUA. O principal teste é feito a 48km/h contra barreira fixa, em que é impactada área de 100% do veículo.
  • Mas são feitos vários outros, como os temidos small overlaps and oblique crashes, que são batidas com pequena sobreposição e de forma oblíqua à barreira rígida, simulando batida em poste ou árvore, testes com barreira deformável, teste do trenó ou generic sled test (que simula o interior do veículo com bonecos/dummies, em processo de aceleração e desaceleração). Também são feitos ensaios de colisão lateral e capotamento, entre outros.
  • Além do NHTSA, o Insurance Institute foi Highway Safety (IIHS), um instituto independente patrocinado por seguradoras, faz cinco tipos de ensaios nos EUA: dois frontais de sobreposição (moderate overlap e small overlap), lateral, de telhado e de bancos e apoios de cabeça. Tanto a avaliação realizada pelo NHTSA quanto a do IIHS são amplamente divulgadas e acabam sendo referência de segurança no mercado automotivo ; não só dos EUA como nos demais países onde os veículos são comercializados.

EUROPA
  • Na Europa, a principal norma para impacto frontal é a ECE R94, regulamentada pela United Nations Economic Commission for Europe (Unece) ou Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa. Ao contrário do principal teste norte-americano, o ensaio é feito com o veículo a 56km/h (ou mais), colidindo com sobreposição de 40% de sua parte frontal em barreira deformável.
  • Mas é o Programa de Avaliação de Carros Novos para a Europa (Euro NCAP) ; organismo independente que busca fazer crash-tests cada vez mais severos com o intuito de apontar as fragilidades nos veículos e incentivando os fabricantes a melhorarem as estruturas e equipamentos de segurança ; uma das grandes referências no mercado mundial. Institutos independentes pelo mundo, a exemplo do Latin NCAP, seguem os padrões dele. O principal teste de impacto frontal é semelhante ao ditado pela ECE R94, porém com velocidade maior, de 64km/h. Também são avaliados impacto laterais, efeito chicote, proteção de pedestres, entre outros.

BRASIL
  • A Resolução n; 221, ao determinar a avaliação de critérios biomecânimos em ensaio de impacto frontal, deixa a critério da montadora combinar a norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) NBR 15300-1 com a NBR 15300-2 ou com a 15300-3. Na prática, isso significa seguir o principal teste norte-americano FMVSS 208 ou o europeu ECE R94, citados acima. Também são exigidos testes de impacto traseiro e da integridade do sistema de combustível em ensaio de impacto traseiro (NBR 15.240 e 15.241).



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação