Favas contadas

Favas contadas

desde 1998

Liana Sabo lianasabo.df@dabr.com.br
postado em 22/08/2014 00:00
 (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)



Iguarias portuguesas


Realizada anteontem, na Embaixada de Portugal, a segunda edição do evento Sabores das Nações, teve como foco a gastronomia portuguesa. Entre os ;encantos lusitanos;, como eram anunciadas as iguarias, destaque para o pastel de nata, um must da doçaria típica daquele país. A ponto de a receita original ter sido consagrada como uma das sete maravilhas gastronômicas de Portugal. Semelhante ao espumante fabricado em Champagne, na França, só pode ser chamado pastel de Belém o doce produzido na confeitaria do mesmo nome, próxima ao Mosteiro dos Jerônimos e da Torre de Belém, em Lisboa.

Aqui, porém, todo o mundo nomeia pastel de Belém o folhado recheado de creme de gemas, açúcar e leite, degustado ainda quente e polvilhado com canela. Até mesmo o casal proprietário do Bistrot do Manuel, responsável pelo doce-maravilha na noite lusitana. ;Nosso pastel é preparado com ingredientes frescos, sem aditivos nem conservantes, e confeccionado para ser consumido no dia, sem ser submetido a qualquer tipo de congelamento;, esclarece João Manuel Coelho, português de Alcobaça, que compartilha o empreendimento com a mulher Yannah, uma mineira de 32 anos, residente em Brasília desde 1994.


Outros doces conventuais

Os dois se conheceram em Fortaleza, ;quando estávamos no mesmo dia, na mesma hora e no mesmo lugar de nome predestinado ; Praia do Futuro;, revela João Manuel, de 55 anos, que fazia pesquisa no Nordeste para um curso de mestrado em antropologia. Instalado numa esquina do Bloco E, Conjunto 1, do Centro de Atividades 5 do Lago Norte, o bistrô funciona desde 2010 quando deixou de ser lanchonete e passou a servir comida por quilo.

Há dois meses, a grife incorporou panificação oferecendo uma extensa lista de pães, como caseiro, amanteigado, de abóbora, australiano, centeio, baguete preta e branca, sovado, pão de linhaça, de aveia e outros. Além do pastel de nata, há brioches, folhados de maçã e pudim do abade de Priscos, receita típica de Braga, que leva toucinho na calda de açúcar e vinho do Porto nas gemas batidas. ;Pela complexidade da receita só faço o pudim por encomenda;, explica Yannah, que em setembro inaugura balcão de doces conventuais, assim chamados por terem sido herdados dos conventos portugueses.




Sardinha e bacalhau

Neto de lagareiro, no distrito de Leiria, ao norte de Lisboa, João Manuel veste o dólmã em duas únicas ocasiões: para assar sardinha na brasa e para preparar o bacalhau à lagareiro (como manda a tradição: em volta do lagar, que é onde se faz azeite). A sardinha surgiu por acaso, quando num sábado, o dono do bistrô decidiu assá-las no varandão para seu próprio deleite e dos amigos. O aroma cruzou os ares e cercanias (uma delas o shopping Iguatemi) e começou a chegar gente interessada no peixe, que hoje é servido todos os sábados. A sardinha vem de Portugal semanalmente, direto para o restaurante. Sai por R$ 5, a unidade.

Também servido aos sábados, na brasa, o bacalhau reina no bufê de quinta-feira em diversas preparações: à Brás, Gomes de Sá, à portuguesa ou pataniscas (bacalhau empanado) com arroz de tomate. O bufê é servido de segunda a sexta, das 11h30 às 15h, mas a casa abre às 7h30 e vai até às 20h com serviço de café e bar. Aos sábados, funciona das 7h30 às 16h. Telefone: 3536-3221.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação