ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 Visto, lido e ouvido aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br

postado em 03/09/2014 00:00


Reciprocidade no voto de confiança

;Um povo que não sabe nem escovar os dentes não está preparado para votar.; A frase, atribuída ao último presidente do ciclo militar, João Baptista Figueiredo, escancarava não só sua ojeriza pela plebe, como refletia bem sua visão de um país banguela, mas que ansiava muito mais do que o regime poderia conceder. Políticos que saem pelo país afora se vangloriando aos quatro cantos do fato de conhecer a ;alma do povo;, seus desejos e ambições, não raro caem na real, decepcionados, quando chega o tempo da muda. Dê-lhes tudo o que puderes, mas ainda assim não estarão satisfeitos. Talvez seja esse o sentimento que invade agora o ;coração valente; da presidente, que, segundo indicam as pesquisas, se prepara para deixar o Planalto. Não se sabe ao certo. O Bolsa Família, considerado, ainda, o maior colégio eleitoral do planeta, é a prova de que o povo é mesmo ingrato. Como podem 40 milhões de pessoas virarem as costas para seus benfeitores? O advento da segurança, propiciado pelo voto secreto, reforçou na população o desejo da contrapartida: trair os políticos.



A frase que não foi pronunciada

;Meus pais não me deixaram ir para a escola; mesmo assim, tenho uma faculdade: a de respeitar os outros.;

Dona Dita pesando no mundo.



Informações

; Muito bom o portal ;O melhor do bairro;. Apesar de não termos essa expressão por aqui, é um jeitinho de matar a saudade da terrinha. Trata-se de informações sobre diversos serviços prestados em todas as regiões administrativas, desde serviços em domicílio até a consulta por advogados. Prático e bastante amigável.


Pano para manga

; No programa de 5 de setembro, às 18h, ao vivo, a Câmara dos Deputados vai usar algumas perguntas enviadas para o e-mail participacaopopular@camara.leg.br ou pelo twitter @participacaopop. O assunto será o voto facultativo. Liberdade
de não escolher ou tutela na participação na política do país?


Coisa pública

; A presidente Dilma anuncia apoio incondicional ao movimento de 7 de Setembro que contará com quase 100 instituições que querem a realização de uma votação da população por uma Constituinte exclusiva pela reforma política.


Mundo

; Palestra esperada sobre Estados estrangeiros e organizações internacionais ante o foro nacional. Proferida pelo ex-ministro Francisco Rezek, em 15 de
setembro, às 11h30, no UniCeub, Auditório
Elza Moreira Lopes.


Insuportável

; Realmente, o barulho dentro dos ônibus é ensurdecedor. Alguns carros novos melhoraram, mas foi justa a decisão de condenar a empresa Viação Planeta e o Governo do DF a pagar multa de R$ 10 milhões (cada um) por excesso de ruído dentro do transporte coletivo. Como a Justiça não atende aos que dormem, quem não reclamou não ganhou.


Piores

; Mulheres com fama de barbeiras dividem o pódio com os homens que o tempo todo teclam celular, desviando a atenção da estrada. É bom que se diga, muitos deles dirigem ônibus urbanos e interestaduais. Um número para denunciar e proteger os passageiros desse mal seria ótimo.


Lei

; Continua só na Lei
de Diretrizes e Bases
para a Educação a obrigatoriedade da volta do estudo de música nas escolas. Os profissionais da cidade ganham um dinheirinho a mais durante as campanhas políticas. Um jingle custa caro, para a sorte dos músicos da cidade que esperam poder dar aulas para a criançada.



História de Brasília

A certa altura, como a querer se divertir com políticos que passam a vida inteira e não se realizam, comentando uma pergunta ao repórter Murilo de Melo Filho, o senhor Jânio Quadros declarou um pouco risonho que não
tinha vocação para política... (Publicado em 26/7/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação