Comédia com muito glamour

Comédia com muito glamour

postado em 03/09/2014 00:00
 (foto: Cine S.A/Divulgação)
(foto: Cine S.A/Divulgação)


Sebastián e Natalia são farinha do mesmo saco, mas não se bicam. Os dois são ladrões excepcionais. Não há nada que ele não possa roubar, assim como não há ninguém que ela não possa enganar. Os dois se conhecem enquanto ela tenta roubar uma obra de arte em um museu e a rivalidade é a marca do relacionamento que estabelecem, mas uma combinação inesperada vai unir os dois ladrões no filme Vino para robar (;Vim para roubar;), do argentino Ariel Winograd, estreia de amanhã no Brasília International Film Festival (Biff).

Em meio a hotéis luxuosos, paisagens idílicas com as vinículas da região de Mendoza e um ambiente de glamour, a dupla será encarregada de roubar uma garrafa de Bordeaux Malbec da metade do século 19 guardada no caixa-forte de um banco de segurança máxima, obviamente, supervigiado. O longa é o terceiro de Winograd, que levou 300 mil espectadores ao cinema em 2011 com Mi primera boda. Comédia é o gênero pelo qual o diretor transita com maior desenvoltura e Vino para robar carrega referências hollywoodianas que são caras ao diretor.

Winograd conta que a maior dificuldade para realizar o longa foi o fato de querer fazer um filme de gênero. Segundo ele, não há longas sobre roubo de bancos na tradição cinematográfica argentina. O gênero típico de Hollywood implica em muitas cenas de ação e locações luxuosas, o que encarece a produção. Mas quando recebeu o roteiro de Adrián Garelik, o diretor não hesitou. ;Adrián ficou cinco anos dando voltas com o roteiro porque era muito difícil e complicado de produzir. Nunca se havia feito um filme de gênero roubo a banco na Argentina. Esse foi o maior desafio;, explica o diretor, em entrevista ao Correio. Ele conta ainda que queria fazer algo na linha Rififi, o longa de Jules Dassin premiado no Festival de Cannes de 1955 e que narra a história de um ladrão prestes a voltar à ativa depois de cinco anos na prisão.

Entre as referências de Winograd estão ainda clássicos de Hollywood que serviram de inspiração para mesclar um gênero tradicional do cinema norte-americano com a própria cultura argentina. ;Claro, nós somos argentinos e, obviamente, cultivamos essa identidade, mas nossas referências eram os filmes de Hitchcock. Também queríamos que o personagem principal fosse uma espécie de James Bond e que a personagem de Valéria fosse como uma Audrey Hepburn;, revela o diretor.

No papel de Sebastián e Natalia estão Daniel Hendler e Valeria Bertuccelli, ambos rostos conhecidos do cinema argentino. Ele ganhou o Urso de Ouro de melhor ator no Festival Internacional de Berlim, em 2004, pela atuação em O abraço partido, de Daniel Burman, e ela atuou em 17 filmes desde 1995, incluindo Clube da lua (2004), o longa de Juan José Campanella permiado com o Goya.


www.correiobraziliense.com.br
Veja os trailers de O eterno retorno de Antonis Paraskevas e de Vino para robar



Serviço

O eterno retorno de Antonis Paraskevas
Diretora: Elina Psykou
Hoje, às 20h30, no Cine Brasilia, com debate após a sessão

Vino para robar
Diretor: Ariel Winograd
Amanhã, às 20h30, no Cine Brasilia, com debate após a sessão



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação