Critérios polêmicos

Critérios polêmicos

postado em 17/09/2014 00:00
Participantes que se sentem prejudicados pelas regras dos editais de concursos para titulares de cartório dizem que os critérios de pontuação favorecem os que fazem uso de artifícios em vez de se dedicar à qualificação para o posto. ;Um juiz que trabalha seis horas diárias, com 10 anos de magistratura, ganha somente dois pontos. Mas um assessor do mesmo juiz que faça conciliação por apenas quatro horas semanais pelos mesmos 10 anos consegue quase quatro pontos na prova de títulos;, criticou o advogado Marcos Silva.

;Muitas pessoas rodavam o país para trabalhar em eleições com o objetivo de obter vantagem nos concursos;, reforçou o também advogado Ricardo Bravo, um dos que pediram ao CNJ a revisão das regras dos editais. Ele afirma que as decisões do conselho sobre o assunto são contraditórias, ora privilegiando, ora proibindo a acumulação de pontos.

Francisco Jacinto de Oliveira Sobrinho, um dos que se valeram das normas se disse ;irritado com a perseguição;. Ele destacou que as indicações sobre as provas de títulos estão na Resolução 81 do CNJ. ;Como a função de auxiliar de eleição conta meio ponto, houve uma corrida para participar de pleitos. E todo mundo passou a fazer pelo menos um ano de conciliação voluntária, um trabalho de quatro horas semanais. E daí? São as regras. Não vejo nada de errado no que fiz;, ressaltou. (VB)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação