Brasília-DF

Brasília-DF

por Denise Rothenburg » deniserothenburg.df@dabr.com.br
postado em 30/09/2014 00:00
 (foto: Iano Andrade/CB/D.A Press - 25/2/14)
(foto: Iano Andrade/CB/D.A Press - 25/2/14)

Acordes tucanos
A partir das últimas pesquisas, o comando de campanha do candidato do PSDB, Aécio Neves, considerou que Marina Silva entrou mesmo em trajetória descendente. Diante desse diagnóstico, agora é parar de bater na concorrente do PSB e investir no próprio crescimento, a fim de tentar tirar a diferença apontada pelas últimas pesquisas.

Isso não significa que a presidente candidata, Dilma Rousseff, será poupada. Como no debate do último domingo, os tucanos pretendem manter a artilharia voltada para Dilma e cutucar Marina naquilo que é considerado uma fragilidade: o petismo e o fato de ter permanecido ali durante o processo do mensalão.

2007 em 2015
Se a presidente Dilma Rousseff conquistar um novo mandato, terá no Senado tanto problema quanto o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no primeiro ano de seu segundo período no comando do país, quando perdeu a CPMF. Se as pesquisas estiverem certas, lá estarão Tasso Jereissati (PSDB-CE), Antonio Anastasia (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP). E, de quebra, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA).

Tudo em família
Chegou à CPI um pedido de convocação do candidato ao Senado pelo PMDB da Paraíba, José Maranhão, para falar dos recursos que recebeu da Coesa, empresa que aparece enroscada na Operação Lava-Jato. O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) ainda não se pronunciou. Se investir contra Maranhão, alguém certamente dirá que age em favor da mãe, dona Nilda, suplente na chapa.

Tensão no Pará I
Uma pesquisa do Ibope impugnada pela Justiça Eleitoral no Pará e, ainda assim, publicada por um jornal em descumprimento da ordem judicial, azedou de vez o clima entre o candidato Helder Barbalho (PMDB), que havia conseguido a impugnação da pesquisa, e o PSDB, do governador Simão Jatene. O jornal chegou a antecipar em dois dias a edição de domingo para divulgar os números.

Tensão no Pará II
Diante da disputa acirrada, não será surpresa se a Justiça requisitar tropas federais para acompanhar a eleição. Para completar, os exemplares ainda foram distribuídos gratuitamente no interior do estado. E ninguém foi preso.

CURTIDAS
O limão.../ A revisão do crescimento da economia para baixo anunciada ontem pelo Banco Central deixou o comando de campanha da presidente Dilma Rousseff uma arara.

...A limonada/ Mas os marqueteiros capitaneados por João Santana consideram que nem tudo está perdido. Dilma agora poderá dizer que seu governo não interfere politicamente no BC e tirar fôlego da proposta de autonomia feita por Marina Silva.

Tropeçou/ O tucano Aécio Neves não escondeu a satisfação quando, durante o debate, a presidente Dilma Rousseff se referiu a Minas Gerais como o estado dele. Agora, quer espalhar essa versão por Minas. Por essas e outras é que Dilma esteve ontem em Minas.

Torcida de peso/ Em palestra ontem para uma plateia de 1.200 empresários em Fortaleza, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (foto) demonstrou otimismo com a ida de Aécio ao segundo turno. Bastou esse comentário para arrancar aplausos efusivos dos presentes.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação