ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 Visto, lido e ouvido aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br

postado em 30/09/2014 00:00


Abraço de urso

Mestre nas artes da dissimulação, o ex-presidente Lula, que já se autodefiniu com uma espécie de metamorfose ambulante, mandou avisar que daria um abraço simbólico na Petrobras, juntamente de sua claque companheira. A encenação faz parte de uma estratégia de marketing que tenta dar impulso na reta final da campanha da candidata Dilma Rousseff. Com a aceitação, pela Justiça, do regime de delação premiada pedido pelos dois principais operadores do caso petrolão, crescem as preocupações em todo o governo e no mundo político, de que um tsunami de lama negra está prestes a varrer a capital. Na semana retrasada, Lula já havia convocado uma manifestação de sindicatos em frente à sede da estatal no Rio de Janeiro, sob o argumento de defender o pré-sal da sanha privatista dos demais candidatos. Naquela ocasião, muitos funcionários da estatal revelaram que foram intimidados a participar dos atos políticos, sendo que uma parcela deles foi impedida de manifestar contrariedade com os seguidos escândalos de desvios. Também a candidata do PT à reeleição tem afirmado em sua propaganda que, no próximo mandato, vai travar uma guerra contra a corrupção. Vistos de longe, criador e criatura até seriam confundidos com vítimas de todo esse imbróglio, não fosse pelo detalhe de que os escombros da estatal, tal qual um iceberg, são demasiadamente gigantescos para serem escondidos e vão se revelando à medida que a maré baixa e as denúncias vêm à tona, inclusive internacionalmente. Esconder as mãos sujas de óleo, com manifestações armadas e pagas em frente à sede da empresa, pode até confundir o cidadão desavisado, mas só reforça a tese de que os implicados não resistem em retornar à cena do crime. O abraço simbólico soa, neste caso, muito mais como um abraço de urso.



A frase que foi pronunciada

;Quando o papa Francisco acaba de falar, a impressão que dá é que a força do que ele disse permanece na atmosfera. É muito curioso.;

Clara Yamim



Memória

; Se vivo fosse, o advogado Sebastião Oscar de Castro teria completado, ontem, 100 anos de idade. Referência para uma geração de advogados no Distrito Federal, Sebinha, como era conhecido e tratado pelos amigos, mudou-se de Goiânia para Brasília em 1960. Atuou na Novacap, em causas de desapropriação de terras no território da capital. Morreu em 15 de janeiro de 2009. Nas áreas penal e cível, Sebastião Oscar de Castro se destacou como advogado destemido, atuando ativamente, sem se preocupar em preservar os poderosos do momento. Era, naquele tempo, o advogado que tinha o maior número de vitórias no Tribunal do Júri. A informação
vem do pioneiro Bartolomeu Rodrigues.

Cuidados

; No Reino Unido, uma em cada 10 pessoas com mais de 40 anos é deficiente de vitamina D, de acordo com estudo da Universidade de Berkeley, Califórnia. No Brasil, a incidência da deficiência da vitamina D também é alarmante. O filtro solar é vilão e mocinho ao mesmo tempo.

Sem referência

; Brasília passa por um fenômeno interessante. Nas escolas mais caras da cidade, os alunos filhos de políticos são obrigados a ouvir piadas sobre escândalos de corrupção em que os pais estão envolvidos. Para as crianças, essa perda de referência traz danos para a personalidade. Um estudo assinado por Gabriela Reyes Ormeño, Joviane Marcondelli Dias Maia e Lúcia Cavalcanti Albuquerque Williams
traz importantes relatos sobre o assunto.

Bagunça total

; Depois que a população brasileira resolveu gastar nos Estados Unidos, o governo deu um jeito de frear o consumo no exterior, passando a monitorar a bagagem. O próximo passo da população mais abastada será abrir negócios no exterior, dadas a facilidade, a uniformidade e a constância das regras. Bom seria se, como consequência, os juristas e um conselho de notáveis pudessem colocar
ordem nesse pardieiro burocrático empresarial e comercial do Brasil.

Pense bem

; Jogam para a opinião pública que a Voz do Brasil é notícia chapa-branca. Nos tempos da ditadura, isso poderia ser revoltante; mas na democracia, nada mais importante do que o cidadão saber o que vai mudar na vida dele por decisão do Legislativo, do Executivo e do Judiciário. Pensando bem, são informações mais úteis que a de um homem-bomba no hotel ou a da explosão de caixa eletrônico em Sobradinho.

Sinal vermelho

; Na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, já está na pauta um projeto que dá autorização para os estados e o Distrito Federal legislarem sobre águas, energia, jazidas, minas e outros recursos minerais. Agora é que a vaca vai para o brejo!



História de Brasília

Com menos de um ano de casa, há funcionários da Novacap com estabilidade. Enquanto isso, qualquer um de nós, tem que trabalhar 10 anos para conseguir a mesma coisa. Privilégio odioso e desnecessário. (Publicado em 28/7/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação