Estratégias distintas no debate

Estratégias distintas no debate

No embate pela televisão após o 1º turno, Rollemberg procurou defender propostas, enquanto Frejat o comparou a Agnelo

ALMIRO MARCOS
postado em 10/10/2014 00:00

No primeiro debate de segundo turno, ontem à noite na Rede Bandeirantes-DF, o candidato do PR ao Palácio do Buriti, Jofran Frejat, antecipou a postura agressiva que vai adotar até 26 de outubro. Ele partiu para o ataque contra o adversário, Rodrigo Rollemberg (PSB), tentando insistentemente colar a imagem do adversário à do atual governador Agnelo Queiroz (PT), derrotado na primeira fase do pleito. Após sofrer diversos ataques, Rollemberg reagiu: ;Frejat, você iniciou o debate cobrando que fosse uma discussão propositiva. Mas, até agora, não apresentou nenhuma proposta;, disse.


A mudança de atitude de Frejat é clara. No primeiro turno, ele exigia dos adversários que discutissem propostas. Ontem, ele preferiu cobrar Rollemberg pela proximidade com Agnelo. As referências à participação do candidato do PSB no governo petista foram repetidas à exaustão. Ao longo dos dois primeiros blocos, marcados por perguntas entre os dois concorrentes, sempre que podia, o candidato do PR dizia: ;O governo que você participou, Rodrigo;. Ficou cansativo, tanto que, no quarto bloco, quando houve mais um embate direto, ele diminuiu o tom das críticas ao atual governo passando pela figura do senador.


Além disso, Frejat tentou ressaltar a própria experiência (de secretário de Saúde quatro vezes e deputado federal cinco vezes) com uma inexperiência de Rollemberg, que foi deputado distrital, federal e atualmente é senador. O adversário rebateu, garantindo que a trajetória dos dois é semelhante, tendo os dois sido parlamentares e ocupado cargos no Executivo.

Administrações
Rollemberg também foi cobrado pelas alianças feitas ao longo da vida política. Disse que o senador já fez parte do governo Lula, do governo Dilma e que, no segundo turno, anunciou apoio a Aécio Neves. ;Você vai para o lado que o vento está tocando;, acusou. O senador do PSB rebateu, dizendo que não entendia a postura agressiva de Jofran, pois o próprio PR faz parte de apoio do governo Dilma e que, inclusive, está na coligação da presidente Dilma Rousseff.


O debate se tornou mais propositivo no momento em que a população fez perguntas direcionadas diretamente para os candidatos, sem possibilidade de comentário do concorrente sobre a resposta do adversário. Os temas colocados em discussão foram educação, saúde, segurança pública, mobilidade urbana e combate à corrupção. Outro assunto colocado em questão foi a escolha de administradores regionais. Os dois defenderam a participação popular na escolha.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação