Massa quer cockpit fechado

Massa quer cockpit fechado

postado em 10/10/2014 00:00
 (foto: Dimitar Dilkoff/AFP Photo)
(foto: Dimitar Dilkoff/AFP Photo)


O pai de Jules Bianchi disse ontem que o estado de saúde do piloto da Marussia não apresentou nenhuma mudança. Em entrevista ao jornal francês Nice-Matin, Phillipe Bianchi elogiou a equipe médica que cuida do filho desde o grave acidente no GP do Japão, no último domingo, quando o piloto bateu em um guidaste que retirava a Sauber de Adrian Sutil. ;O doutor (Gerard) Saillant é o especialista que veio a pedido da Ferrari para cooperar inteiramente com os neurocirurgiões locais. Por isso, Jules não poderia estar mais bem cuidado. Não há mudança significativa. Todo mundo sabe que ele está numa fase crítica;, afirmou Phillipe, que acompanha o filho no Hospital Universitário de Mie, em Yokkaichi.

O acidente de Bianchi levantou a possibilidade de mudanças na categoria para aumentar a segurança dos pilotos. O espanhol Fernando Alonso e o brasileiro Felipe Massa, que estão em Sochi para o GP da Rússia, neste domingo, acreditam que carros com cockpits fechados devem ser, ao menos, testados. A ideia de proteger os pilotos com para-brisas não é nova na Fórmula 1, mas sempre foi descartada. ;Eu tenho a tendência a dizer que deveríamos pelo menos tentar ou testar esta ideia;, disse Alonso. ;Estamos em 2014, temos a tecnologia, os aviões e muitos outros exemplos de sucesso. Então, por que não pensar sobre isso?;, questionou o bicampeão mundial de Fórmula 1.

Massa reforçou o discurso do espanhol. O paulista sofreu um grave acidente durante o treino classificatório para o GP da Hungria de 2009, quando uma mola se soltou do carro de Rubens Barrichello e atingiu a viseira de seu capacete. Ele sofreu concussão cerebral e uma lesão óssea acima do supercílio do olho esquerdo. ;Concordo com Fernando, seria interessante tentar trabalhar com essa possibilidade. Com certeza, para meu acidente, teria sido perfeito. Para o de Jules, não tenho certeza;, afirmou Massa, que classificou o GP do Japão como o pior de sua carreira. ;Foi pior que o meu acidente porque eu não me lembro dele.;

A possibilidade de mudança não é unânime entre os pilotos. Sebastian Vettel e Jenson Button, por exemplo, mostraram-se cautelosos ao abordar o assunto durante a coletiva de imprensa do Grande Prêmio da Rússia, ontem, em Sochi. ;É uma mistura de sentimentos. Desde o começo da F-1, os carros são abertos e é uma das coisas especiais. Por outro lado, como Fernando falou, há muitas razões para pensar sobre isso para o futuro;, analisou Vettel.


Homenagem
Os pilotos da Fórmula 1 prestarão uma homenagem ao francês Jules Bianchi neste fim de semana. Todos usarão no capacete um adesivo com o nome do piloto da Marussia. O adesivo oval tem a frase ;Todos com Jules; em francês, além do número 17, que o piloto leva em seu carro. A iniciativa de criar o adesivo foi tomada pelo também francês Jean-Eric Vergne, da Toro Rosso, amigo de Bianchi.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação