Caia na balada

Caia na balada

postado em 10/10/2014 00:00
 (foto: Ângela Possamai/Divulgação - 14/7/14)
(foto: Ângela Possamai/Divulgação - 14/7/14)



Farra de sexta

Durante algum tempo, as noites de sexta-feira no Pesque-Pague do estacionamento 10 do Parque da Cidade foram sinônimo de festa. Depois de cinco anos longe desse cenário, a Funfarra volta hoje, às 21h, para o local. A edição O retorno terá shows do grupo Passo Largo (foto), com participação dos músicos Cae Mai e Gaivota Naves e do rapper De Leve, além dos DJs Emídio e Pezão.

;A mistura de ritmos sempre foi uma característica. A gente passeava por vários gêneros;, explica Marcelo Barki, produtor da Funfarra.

De volta às origens, a balada também vai recuperar aspectos das edições clássicas do Parque da Cidade. ;Desde dezembro de 2009, a Funfarra cresceu e acabou virando uma festa de show. Queremos voltar à atmosfera peculiar do passado. Vamos continuar trazendo atrações nacionais, mas focando na cultura brasiliense;, afirma Barki.

Além da música, o evento terá diferentes linguagens artísticas. O acervo de pinturas feito ao longo das últimas edições estará exposto no local, que ainda terá obras produzidas ao vivo pela artista Juliana Borgê. Marina Mendes da Rocha fará obras nos vidros de alvenaria, e o Coletivo Transverso entregará poesias. Além disso, os VJs Artur Pessoa, Oga Julia e Reyzek projetarão conteúdos que vão interagir com o público.

;A Funfarra surgiu com essa proposta de misturar linguagens. Quando a gente fez a festa, não existia essa coisa de unir mixagem, projeção, exposição visual e artes circenses. Depois, foram surgindo grupos, movimentos e projetos;, completa o produtor. O preço do ingresso é R$ 20. Valor de primeiro lote. (Adriana Izel)


Eu vou


Funfarra
;A Funfarra agregava cultura, diversidade e entretenimento. Ela foi percursora na utilização de espaço incomuns para realização de festas, fugindo do tradicional reduto das boates da época. Se o espírito for o mesmo de antes, será uma excelente alternativa para as noites de sexta-feira;

Guilherme Medeiros, 26 anos, advogado

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação