Defesa do confronto de ideias

Defesa do confronto de ideias

postado em 24/10/2014 00:00
 (foto: Ricardo Moraes /Reuters)
(foto: Ricardo Moraes /Reuters)

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, condenou ontem o confronto entre militantes de seu partido e do PSDB no centro de São Paulo (leia mais na página 4). ;Gostaria de fazer um apelo para que isso não ocorresse. Uma eleição é disputada. Tem que ter confrontos, conflitos, mas tem que ser de ideias. Ninguém pode sair do campo das ideias e ir para o campo da realidade física;, afirmou Dilma durante entrevista a jornalistas em um hotel da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde se prepara para o debate da TV Globo hoje à noite.

Apesar da crítica, a presidente minimizou o episódio. ;No final das eleições, o clima fica um pouco mais quente. A gente não pode chegar agora e tentar criar um fantasma disso tudo. Não vi esse clima na campanha pelo Brasil. Não vi uma atitude de agressão, mas de festa e comemoração;, afirmou Dilma, ainda com a voz rouca ; ela descansou para se recuperar para o debate de hoje e não teve agenda pública ontem. Ficará no Rio até amanhã.

A presidente evitou responder a uma pergunta sobre o comentário do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a respeito do candidato tucano, Aécio Neves, a quem chamou de ;filhinho de papai;. Dilma desconversou: ;Você deveria perguntar isso para o presidente Lula;. Ela defendeu-se, porém, citando o que considerou agressões do oponente. ;É correto alguém me chamar de leviana? Eu sou presidente da República, sou mulher, mãe e avó. Então, vamos ter calma e tranquilidade.;

Avanços sociais
Dilma falou, ainda, sobre as críticas feitas pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao fato de a presidente ignorar avanços sociais do governo dele. ;Não reconheço os ganhos sociais do governo Fernando Henrique Cardoso. Reconheço a estabilidade da moeda. Lamento que ele fique irritado com isso. Mas é uma disputa absolutamente dentro dos parâmetros democráticos;, disse a presidente.

Ela aproveitou para retribuir as críticas. ;O presidente Fernando Henrique disse que o Ciência sem Fronteiras era um programa completamente incorreto. Como é que a gente ia saltar de 8.500 para 100 mil (beneficiados). Ele disse que não ia dar certo porque não íamos achar gente que soubesse uma outra língua para mandar para o exterior. Além de ser uma visão completamente elitista, ele não percebe que uma das coisas que você pode propiciar e assegurar para quem vai (para o exterior) é justamente a aprendizagem da língua.;

A presidente também comentou as suspeitas de que mensagens de celular enviadas a beneficiários do Bolsa Família afirmaram que Aécio Neves acabaria com o programa. ;Se for feita por pessoas do governo, nós temos todo o interesse em saber quem está fazendo uma coisa dessas;. Mas se mostrou cética: ;Vamos ver direitinho de onde vem, quem fez e como é que fez porque boato é o que não está faltando.; A presidente afirmou não ter visto os resultados das pesquisas de intenção de voto divulgados ontem, com aumento da vantagem em relação a Aécio Neves. Ela disse ter se concentrado no tratamento que está fazendo para melhorar a voz.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação