Microscópio faz filme em 3D

Microscópio faz filme em 3D

» Vilhena Soares
postado em 24/10/2014 00:00

Descobrir detalhes do mecanismo de funcionamento e da composição de organismos vivos é uma busca constante de cientistas, que se valem de tecnologias cada dia mais avançadas para desvendar esses mistérios. Uma das alternativas criadas com esse intuito é um microscópio de resolução avançada desenvolvido por pesquisadores do Instituto Médico Howard Hughes Janelia Research Campus, nos Estados Unidos. O equipamento capta imagens tridimensionais de moléculas, células e embriões, expondo pequenas características antes não enxergadas. Detalhada na edição de hoje da revista Science, a ferramenta promete revolucionar as pesquisas científicas em laboratório.

O novo microscópio tem como base métodos já utilizados na microscopia de luz ; tecnologia que utiliza a luz como fonte de iluminação para a observação de materiais ;, mas foi adaptado para conquistar resultados mais satisfatórios quanto à resolução das imagens captadas. O sistema utiliza feixes mais finos para a visualização dos micro-organismos. A técnica avançada permite que os feixes captem imagens bidimensionais, que são convertidas posteriormente em filmes tridimensionais.

;Um feixe de luz ilumina um único plano de espécime vivo. Ao tirar uma foto 2D dele em planos sucessivos, uma imagem 3D é obtida. Repetindo esse processo mais e mais vezes, cria-se um filme dinâmico em 3D;, detalha ao Correio Eric Betzig, um dos autores do trabalho.

Betzig dividiu com William Moerner e Stefan Hell o Prêmio Nobel de Química deste ano pela criação do primeiro microscópio de fluorescência de super-resolução. No trabalho laureado, foram determinadas as bases para outra técnica, chamada microscopia monomolecular, na qual a fluorescência ajuda na identificação de moléculas. No equipamento detalhado na Science desta semana, o efeito é conseguido por meio de feixe de luz.

Entre as vantagens desse microscópio, está a possibilidade de analisar amostras maiores. ;É um grande avanço em termos de formação de imagem. Combina a vantagem de analisar grandes volumes em uma super-resolução, algo que é difícil de se conquistar e que pode facilitar a análise de células mais complexas e de maior extensão, como os embriões;, diz Kildare Miranda, professor do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Microscopia e Microanálise.

O cientista, que não participou do estudo, também destaca que a conquista de imagens 3D é de grande importância. ; Na microscopia, temos fenômenos que ocorrem em um período de tempo muito curto, microssegundos podem valer muito. Conseguir construir filmes com uma resolução maior e que captem cada etapa desse processo é um grande ganho;, completa.

Betzig adianta que os trabalhos serão levados adiante. ;A pesquisa vai certamente continuar. As próximas etapas envolvem utilizar e aprimorar o que já temos, e também melhorar a resolução espacial.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação