Pânico poderia ter sido evitado

Pânico poderia ter sido evitado

postado em 24/10/2014 00:00

Apesar da rapidez e da transparência na comunicação, de acordo com o Ministério da Saúde, só a informação de que o paciente nunca tinha ido à África era o suficiente para descartar a possibilidade. ;Houve algum tipo de confusão entre a definição de suspeita para caso de ebola. Isso revela um desconhecimento grande do profissional médico que fez o atendimento. O pânico poderia ter sido evitado;, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Jarbas Barbosa.


Barbosa explicou que, se houvesse uma real suspeita do aeroporto sobre o caso de ebola em um primeiro atendimento, um protocolo minucioso deveria ser seguido. O comissário jamais teria saído do terminal em um carro comum. Ele seria isolado e encaminhado ; em uma ambulância ; ao Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), unidade de referência no DF. Lá, ele aguardaria uma aeronave do governo brasileiro para ser transferido ao Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro. ;Depois, faríamos a investigação da doença, assim como no caso de Cascavel (PR), quando a doença também foi descartada;, completou o secretário.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação