...Ao poço sem fundo da corrupção na Petrobras

...Ao poço sem fundo da corrupção na Petrobras

CGU investiga grupo da estatal que teria recebido propina de empresa holandesa, que pagará US$ 240 milhões à procuradoria do país europeu

EDUARDO MILITÃO
postado em 13/11/2014 00:00
 (foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 25/8/11)
(foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 25/8/11)

O esquema de corrupção na Petrobras teve novas consequências no Brasil e no exterior. A Controladoria-Geral da União (CGU) suspeita que um grupo formado por pelo menos seis diretores e funcionários da Petrobras recebeu propina da fornecedora holandesa de navios-plataforma SBM Offshore. Ontem, a empresa fechou acordo para pagar US$ 240 milhões ao Ministério Público holandês por causa de ;pagamentos indevidos;, que seriam subornos pagos a agentes públicos no Brasil e na África. No primeiro semestre, a empresa foi acusada por um ex-funcionário de pagar propina para pessoas ligadas à Petrobras. ;Nós investigamos pagamento de propina. Temos elementos suficientes que caracterizam isso;, disse o ministro da CGU, Jorge Hage, ao Correio ontem à tarde. ;Não temos ainda, entretanto, o nome da pessoa ou das pessoas que teriam recebido os recursos.;

A CGU abriu processo punitivo contra a SBM ontem. Segundo Hage, para evitar ser proibida de contratar com a Petrobras, a fabricante de navios poderá assinar um acordo de leniência com a controladoria, ressarcir ;prejuízos; e indicar o nome dos corrompidos. Ele não soube precisar os valores. A SBM fechou R$ 27 bilhões em contratos com a Petrobras.

Segundo o ministro, foram abertos seis processos administrativos contra os diretores que são suspeitos de participarem das irregularidades observadas. E há outros sob investigação. ;Além desses seis, há vários outros em nossa lista que estão sendo indicados;, afirmou Hage.

Em 31 de março, a Petrobras encerrou uma investigação interna dizendo que ;não encontrou fatos ou documentos que evidenciem pagamento de propina a empregados da Petrobras;, informou a estatal à época. Ontem, a petroleira não esclareceu ao jornal se vai reabrir investigações. ;A SBM diz não saber quem foi que recebeu;, afirmou Hage.

De acordo com o ministro, foram identificados problemas em contratos firmados entre a SBM e a Petrobras nos últimos 20 anos. A CGU foi à Inglaterra tomar o depoimento do denunciante do caso, um ex-funcionário da SBM que registrou a acusação no site Wikipédia. Ainda foram examinados documentos, e-mails, passaportes, viagens, dados patrimoniais e de renda dos empregados e dos ex-diretores da petroleira brasileira.

O ex-colaborador da SBM afirmou que a empresa pagou US$ 200 milhões em propinas, dos quais US$ 139 milhões foram para funcionários da Petrobras. Os pagamentos foram feitos entre 2007 e 2011. O denunciante mencionou a existência de gravações de reuniões com chefes na SBM detalhando a operação. O funcionário anônimo disse que, no Brasil, a propina era repassada a funcionários da Petrobras por meio do engenheiro Júlio Faerman e de suas empresas. Os subornos eram de 3%, sendo 2% para os funcionários e 1% para o representante.

Na Holanda, a SBM anunciou que pagaria US$ 240 milhões ao Ministério Público, em três parcelas, sendo que a primeira, de US$ 100 milhões, já foi depositada. Segundo a fabricante de navios, nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça encerrou as investigações que corriam por lá. A reportagem não localizou Júlio Faerman.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação