O carro da luz vermelha

O carro da luz vermelha

Sistema montado pela Honda mostra qual o momento mais "emocionante" para trocar de marcha e aproveitar toda a força do motor 2.4 do Civic SI. Como itens de série, o carro traz um bom pacote de segurança, além de sistema de entretenimento completo

» Renato Ferraz Enviado especial
postado em 13/11/2014 00:00
 (foto: Honda/Divulgação)
(foto: Honda/Divulgação)

Indaiatuba (SP) ; Adianta dizer que o Civic SI tem um visual mais ;arrojado;, com linhas mais ;fluidas; do que seu irmão de terno e gravata, o Civic de quatro portas? Pois é: veja a foto e note que há diferenças, sim, como as cores vibrantes, as rodas de 18 polegadas, o chamativo aerofólio, a ponteira de escapamento cromada e o difusor de ar no para-choque. Mas isso são apenas acessórios para complementar um visual mais ;agressivo;. Ele, aliás, é até 2cm maior.

Mas o que efetivamente distingue um do outro são alguns detalhes internos e o motor ; que chega à potência máxima de 204cv nos 7.000rpm e oferece torque de 23,9kgfm a 4.400 giros. Só para lembrar: o da versão anterior, com motor 2.0, era de apenas 18,9kgfm. É um ganho e tanto, convenhamos, mas fica aquém de concorrentes como Golf GTI, da Volks, que oferta 35,7kgfm do Volkswagen Golf GTI.

Como deve ser em automóvel que custa mais de três dígitos (nesse caso, R$ 119,9 mil), o esportivo da Honda tem um bom pacote de segurança. São air bags frontais, laterais e tipo cortina e freios com ABS e distribuição eletrônica de frenagem. Em relação aos mimos, um volante multifuncional revestido em couro, sistema de entretenimento com tela de sete polegadas e com entrada USB e conexão Bluetooth, mas sem cartão SD. Fora o ar-condicionado digital, a câmera de ré, o teto solar...

Os bancos têm desenho esportivo: predomina o preto, mas há muito vermelho, que é usado também na costura do volante e da manopla de câmbio (em couro). Em compensação, o ajuste dos bancos e do volante é manual (para não desagradar aos ;puristas;?).


Os engenheiros da montadora japonesa puseram para ajudar o motorista a usar e abusar melhor do motor, uma luzinha vermelha no painel. Ela é de LED e acende quando a rotação está em seu melhor (e maior, claro) momento. Nessa hora, aumentam as aberturas de uma válvula de admissão e outra de exaustão por cilindro.

Deve-se, então, trocar (de preferência, prazerosamente) a marcha manual. Aí, surge uma fila de luzinhas amarelas preparando o condutor para a próxima troca (as rotações, lembremos, sobem rápido mesmo). E haja emoção, dependendo da estrada, dos limites de velocidade da via, dos pardais e da sua responsabilidade. Se o motorista for ;amador;, o giro chega ao limite e o propulsor simplesmente corta a potência.

O jornalista viajou a convite da Honda



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação