Obra paralisada em PE

Obra paralisada em PE

postado em 19/11/2014 00:00

Encurralada por denúncias de todos os lados, a Petrobras ainda tem que lidar com a paralisação de cerca de 4 mil funcionários do consórcio responsável pelas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. O assessor de crise do Sindicato de Trabalhadores na Indústria de Construção Pesada (Sintepav/PE), Leodelson Bastos, afirmou que os funcionários da Alumini Engenharia, que faz parte do consórcio, não receberam salários. O sindicato quer obter, na Justiça, rescisão indireta dos empregados, para garantir seus direitos como se tivessem sido demitidos.

A Petrobras informou, ontem, que a paralisação não deverá afetar o cronograma para o início das atividades. Os problemas na refinaria, que custou cerca de
US$ 18,5 bilhões, valor bem acima do previsto inicialmente, começaram em agosto de 2013. ;São quase 6 mil pessoas sem receber, algumas foram demitidas sem direitos. As outras decidiram parar as atividades. Cerca 1,8 mil trabalhadores que estão alojados no canteiro de obras tiveram a energia cortada nos dormitórios e serão despejados;, afirmou Bastos.

Não há informações que indiquem que a situação esteja relacionada aos desdobramentos da Operação Lava-Jato. A Alumini não foi citada.

;A Petrobras ratifica que está em dia com suas obrigações contratuais e que os pagamentos de seus compromissos com todas as empresas estão sendo realizados de acordo com a legislação vigente e com o estabelecido em contrato;, disse a estatal, por meio da assessoria de imprensa. ;A companhia esclarece, ainda, que é das empresas contratadas a responsabilidade de honrar as obrigações trabalhistas;, acrescentou. (SK)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação