Eike começa a ser julgado

Eike começa a ser julgado

» PAULO SILVA PINTO
postado em 19/11/2014 00:00
Começou ontem, às 14h25, o julgamento do empresário Eike Batista, fundador do Grupo X, na 3; Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro. O juiz Flavio Roberto de Souza permitiu o acesso de jornalistas à sessão, recusando o pedido de sigilo feito pela defesa de Eike.

O empresário é acusado de ter provocado prejuízo de R$ 1,5 bilhão aos acionistas de sua companhia de petróleo, a OGX, com o uso de informação privilegiada. Em outubro de 2012, quando o mercado já tratava a empresa com desconfiança, Eike se disse disposto a capitalizá-la em R$ 1 bilhão, o que levou à recuperação de parte do valor em bolsa.

Em maio do ano seguinte, porém, ele decidiu vender ações sem alarde. Em julho, a empresa informou que vários de seus campos de petróleo eram inviáveis e o preço do papel despencou. Pouco depois, ao ser cobrado da capitalização de R$ 1 bilhão, o empresário afirmou que mudanças no estatuto da empresa não o obrigavam mais a cumprir a promessa.

Foram ouvidas ontem, até 17h, três testemunhas: o funcionário da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Fernando Vieira, o economista Aurelio Valporto, que investiu em ações da OGX, e o ex-funcionário da empresa Mauro Fernandes. Em 10 de dezembro haverá nova audiência. Para a defesa, as provas são fracas e o empresário será inocentado. O juiz afirmou que, caso o empresário seja considerado culpado, pode ser condenado a até 18 anos de cadeia. A pena mínima em caso de condenação, segundo ele, será de três anos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação