Israel exibe os punhos

Israel exibe os punhos

Autoridades reforçam segurança e anunciam a construção de 78 casas em Jerusalém Oriental. Em resposta a ataque contra sinagoga, governo vai demolir residências de famílias de extremistas

Rodrigo Craveiro
postado em 20/11/2014 00:00
 (foto: Ronen Zvulun/Reuters)
(foto: Ronen Zvulun/Reuters)



Vigilância reforçada, medo e mais medidas polêmicas marcaram o dia seguinte à carnificina em uma sinagoga de um distrito ultraortodoxo de Jerusalém Oriental. O governo de Israel prometeu intensificar as demolições de casas de palestinos envolvidos em atentados, enquanto a prefeitura de Jerusalém anunciou a construção de 50 residências em Har Homa e 28 em Ramot, bairros habitados por árabes. ;Essas decisões são a continuação da política do governo israelense de causar mais tensão, empurrar (o conflito) rumo à escalada e desperdiçar chances de criar uma atmosfera de calma;, declarou Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente palestino, Mahmud Abbas. Na manhã de terça-feira, os primos palestinos Ghassan Abu Jamal, 32 anos, e Oday Abu Jamal, 22, invadiram o templo judaico em Har Nof e usaram cutelo, machado e pistola para matar cinco pessoas, incluindo quatro rabinos.

Horas depois do pior ataque à cidade sagrada desde 2008, as forças do Estado hebraico destruíram o apartamento de Abdel Rahman Shalodi, em Siloé, outro bairro de Jerusalém Oriental. Em 22 de outubro, Shalodi atropelou várias pessoas num ponto de ônibus, matando um bebê de 3 meses e uma equatoriana de 22 anos. Foi a primeira demolição em cinco anos. Na véspera, 12 familiares de Ghassan e Oday tinham sido presos. A segurança foi reforçada em instituições públicas, escolas e sinagogas.

O israelense Eytan Gilboa, professor de estudos políticos da Universidade de Bar-Iian (em Ramat Gan, a 47km de Jerusalém), lembra que a derrubada das casas de famílias de extremistas se mostrou eficiente no passado. ;Israel restaurou a dissuasão, por meio da repressão imediata a parentes de militantes que elogiaram os atentados cometidos por eles. Qualquer nova demonstração violenta será repelida com uma força ainda maior;, afirmou, por e-mail. Além da intensificação do policiamento em Jerusalém, Gilboa acredita no aumento das prisões de líderes de facções islâmicas da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, incluindo o Hamas e a Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP).

Professor de direito internacional da Universidade de Princeton e relator especial da ONU sobre os Direitos Humanos nos Territórios Palestinos, Richard Falk aposta que o premiê Benjamin Netanyahu vai adotar uma resposta punitiva usual, direcionada à população palestina como um todo. O especialista critica a construção de 78 casas em Har Homa e em Ramot. ;É uma expressão do desafio de Israel à lei internacional, que proíbe a expansão dos assentamentos, além de uma amostra da indiferença em relação à opinião pública europeia e norte-americana;, opinou. Segundo ele, a autorização para as obras é ;especialmente provocadora, na atmosfera volátil criada pelos ataques a Gaza, no verão, e pela tensão em Jerusalém;. ;Isso pode ser o que faltava para se ;quebrar as costas do camelo;, como diz uma parábola regional, o que se traduziria numa intifada de pleno direito.;



Pontos de vista

Por Richard Falk



Escalada da
resistência


;Os dois lados avançam sobre uma fronteira precária, que sugere escalada da resistência. É um reflexo do ataque contra Gaza, entre julho e agosto, e das ações provocativas dos extremistas sionistas, ao restringirem o acesso à Mesquita de Al-Aqsa. A expansão das colônias judaicas pode acrescentar combustível às chamas.;

Professor de direito internacional da Universidade de Princeton


Por Eytan Gilboa



Risco de intifada

;Os ataques de militantes palestinos têm sido esporádicos. Eles não parecem fazer parte de um esforço organizado e sistemático para aterrorizar os judeus. Se a campanha de contenção de Israel não funcionar, a violência poderá se deteriorar rumo a uma terceira intifada.;

Professor de estudos políticos da Universidade Bar-Ilan (Israel)



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação