Energia tabelada

Energia tabelada

postado em 26/11/2014 00:00
A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou ontem a redução para 2015 do teto do Preço de Liquidação de Diferenças (PLD), valor da eletricidade no mercado livre, dos atuais R$ 822,83 para R$ 388,48 por megawatt-hora (MWh). O corte se deu, sobretudo, em razão da mudança da termelétrica usada como referência para o cálculo do montante limite.

A Aneel ainda acatou os pedidos dos agentes do setor e decidiu manter o critério atual de rateio dos custos das usinas térmicas que geram a um custo acima do teto, a ser pago via Encargo de Serviços do Sistema (ESS). Com a redução do PLD e a expectativa de que as térmicas continuem ligadas, houve no setor o temor de que a conta do encargo embutido nas contas de luz poderia se elevar no ano que vem.

A proposta inicial da agência reguladora era dividir o ESS apenas com os agentes expostos ao mercado de curto prazo, mas após críticas dos agentes do setor, sobretudo durante o processo de audiência pública, a atual fórmula de rateio foi mantida, dividindo o gasto extra entre os consumidores.

Em 2014, com o acionamento intenso do parque termelétrico em razão da escassez de chuvas, o PLD atingiu o teto diversas vezes, onerando as empresas expostas ao mercado livre. Os gastos chegaram a tal montante que o governo intermediou empréstimos bilionários das empresas junto ao setor bancário para fazer frente aos pagamentos no mercado de curto prazo de energia.

Para o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, a redução do PLD vai garantir a sustentabilidade do setor, lembrando que, além de reduzir o teto da energia no mercado livre para 2015, a Aneel também elevou o seu piso dos atuais R$ 15,62 o MWh para R$ 30,26. ;O benefício é trazer um nível de risco mais sob controle e mais fácil de prever, deixando uma faixa mais estreita;, defendeu.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação