A dança dos cavalos (e outras maravilhas da Andaluzia)

A dança dos cavalos (e outras maravilhas da Andaluzia)

» Renato Ferraz
postado em 26/11/2014 00:00
 (foto: Fotos: Renato Ferraz/CB/D.A Press)
(foto: Fotos: Renato Ferraz/CB/D.A Press)

;Quem consegue observar seus passos rítmicos, sua impecável precisão, seu autodomínio, seu senso de geometria sem se sentir extasiado?;
Rafael Alberti, poeta espanhol

Jerez de la Frontera (Espanha) ; O ambiente é uma mistura harmoniosa do que tem num circo nômade do Nordeste brasileiro, no teatro Royal Albert, em Londres, e em casas de shows da Broadway, em Manhattan. A sobriedade une-se ao luxo, mas o piso do palco é de terra solta. As luzes se apagam, e a plateia, atenta e silenciosa, dá com olés as boas-vindas aos cavalos ; habilmente dominados por ginetes ; que começam a dançar flamenco. Sim, dançar. No palco único da Real Escola Andaluza de Arte Equestre, em Jerez de la Frontera, na Espanha, os cavalos rodam à esquerda, giram à direita, levantam as patas, gingam e ajoelham-se numa sincronia impressionante com os cavaleiros vestidos à moda do século 18. O ritmo é determinado pela música alta que sai das caixas de som, e o grau de emoção varia, obviamente, de pessoa para pessoa. Mas o fato é que o espetáculo dos cavalos andaluzes bailarinos é apenas uma das atrações imperdíveis ; e inesquecíveis ; que a região da Andaluzia oferece a quem tem bom gosto. Os shows de dança flamenca autênticos devem também ser vistos. Mas fuja da moda pega-turista com jantar e show. Em Sevilha, há vários que respeitam a tradicional música e solo ciganos. Também por lá ainda resistem as touradas, mas a temporada só começa em abril (e vai até outubro). Não ir ao passeio noturno na catedral-mesquita de Sevilha é quase um crime: construído por visigodos, árabes e cristãos, é simplesmente esplendorosa com seus 24 mil metros quadrados, 19 naves, dezenas de capelas laterais e 856 imponentes colunas de granito. Por fim, uma dica para a alma e o estômago: visitar fábricas de azeite e de vinho e perambular por balcões de tabernas e restaurantes para conhecer a rica culinária andaluza.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação