Busca por educação criativa

Busca por educação criativa

Escola do DF é incluída em livro que reúne práticas transformadoras nas salas de aula. Lançamento da publicação ocorre hoje, em Brasília. O autor, o jornalista e professor Caio Dib, destaca iniciativas que despertam nos estudantes a consciência social e a tolerência

JULIANA ESPANHOL
postado em 29/11/2014 00:00
 (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

A Associação pró-educação Vivendo e Aprendendo funciona desde 1981 num canto discreto da Asa Norte, próximo ao câmpus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB). Porém, ao passar dos portões, o conjunto de casinhas coloridas e o parque de areia com árvores, onde os pequenos gostam de subir durante o intervalo, chamam a atenção. ;A sexta-feira é o dia em que dois professores organizam uma atividade diferente em que todos os alunos da escola participam juntos;, conta a educadora Wilma Dutra Lima, 43 anos. A experiência brasiliense em educação foi uma das iniciativas publicadas no livro Caindo no Brasil: uma viagem pela diversidade da educação, cujo lançamento na capital ocorre hoje.


Atrás de inspiração e de novas ideias na área de educação, o jornalista Caio Dib percorreu 17 mil quilômetros pelo Brasil. A viagem do jovem de 24 anos, que mapeou escolas, organizações não-governamentais (ONGs) e outras iniciativas educativas, resultou no livro. Depois de 58 cidades e cinco meses e meio com o pé na estrada, Caio não para: segue uma agenda movimentada, com palestras e cursos, além de se aventurar como professor para alunos de 10 a 14 anos em uma escola paulistana.


Doze dias da viagem foram dedicadas à capital federal. ;Confesso que tinha um certo preconceito com a cidade. Tinha planejado ficar por três dias, mas acabei ficando 12 e adorei. Brasília tem uma rede muito forte de educação, com muitas escolas legais. Há vários projetos genuínos e inovadores;, afirma. ;Foi até um pouco difícil escrever sobre a Vivendo e Aprendendo. Eles dispõem de recursos que podem formar pequenas pessoas incríveis. Como adulto, eu uso coisas que aprendi nessa escola;, elogia.


Elogios que enchem de orgulho educadoras como Wilma Dutra. Ela trabalha há 17 anos na instituição e já passou por todos os ciclos ; como são chamadas as séries na instituição ;, além de ter exercidos funções administrativas. ;Essa escola tranforma seu olhar sobre o mundo. Aprendi a ser mais crítica, questionadora e a respeitar as diferenças;. Entre as políticas do colégio, está a seleção de professores e estagiários de outras áreas além da pedagogia. ;Acreditamos que essa diversidade de pessoas é positiva para a formação das crianças;, explica coordenadora psicológica da instituição, Raquel Capucci, 32.

Livro
A publicação de Caio reúne 19 iniciativas: nove escolas ou projetos, quatro histórias de pessoas inspiradoras envolvidas com educação e seis ensaios que também se dedicam a pesquisar ações inovadoras na área. ;Antes de viajar, fiz um roteiro bem flexível com base em cidades com importância econômica, social e educacional. Porém, também me guiei pela curiosidade. Por exemplo, queria muito conhecer Triunfo (PE), uma cidade no meio do sertão na qual faz frio durante o inverno. Algumas cidades me encantaram mais que as outras, o que definia o tempo de estadia;, relembra.


A jornada foi realizada em 2013, mas o mapeamento continua no site www.caindonobrasil.com.br. Até o momento, há 118 iniciativas identificadas.Em Salvador, por exemplo, Caio passou pelo projeto Bairro-Escola Rio Vermelho, que pretende transformar a região de mesmo nome em um grande colégio. Assim, os alunos aprendem sobre literatura na biblioteca do bairro, biologia com pescadores e história com antigos moradores.

História
Filho de um professor universitário e de uma psicóloga, Caio sempre esteve próximo do mundo dos livros. No ensino médio que o interesse pelo ensino começou a aflorar. ;Participei de um projeto que envolvia comunicação e educação. Pensei que gostaria de ser um jornalista que trabalhasse com esses dois assuntos, mas só na faculdade descobri que gostava muito mais de educação;, diz. ;Acredito que o ensino é o caminho para a mudança;, revela ele, que é formado pela faculdade Cásper Líbero, de São Paulo.


O custeio da viagem veio de uma poupança do próprio jornalista. Para o livro, o recurso de financiamento coletivo foi utilizado para a impressão, sem intermédio de editoras. Pela internet, ele arrecadou mais de R$ 30 mil para pagar a edição. Agora como professor, Caio Dib aplica o que viu pelo país. ;Eu acredito que é necessário criar novas escolas porque a mudança vai sair de dentro delas.;

Não perca

LEIA
Caindo no Brasil: uma viagem pela diversidade da Educação
Autor: Caio Dib
278 páginas (R$ 45)
Disponível para compra on-line em: loja.caindonobrasil.com.br


Evento Circulando Autonomia
Local: Auditório Dois Candangos da Faculdade de Educação da UnB
Horário: 16h
Programação completa do sábado:
; Cortejo de pernas de pau
; Espetáculo de palhaços
; Oficina de xilogravura, rima e cordel
; Lançamento do livro Caindo no Brasil e roda de conversa
com o autor, Caio Dib

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação