Balança fecha ano no vermelho

Balança fecha ano no vermelho

postado em 02/12/2014 00:00
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic) reviu ontem a estimativa da balança comercial deste ano. ;Diante dos números de novembro, o Mdic está revendo o desempenho da balança de superavit para deficit. O ministério está trabalhando agora com deficit na balança comercial em 2014;, avaliou o diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação da pasta, Roberto Dantas. O país não registra deficit na balança comercial em um ano calendário desde 2000.

A queda acentuada do preço das commodities da pauta brasileira, o enfraquecimento do comércio bilateral com a Argentina ; principal comprador de produtos manufaturados do país ;, e o elevado saldo negativo da conta petróleo tiveram forte reflexo na balança comercial de novembro, que fechou com deficit de US$ 2,350 bilhões, o pior resultado para o mês da série histórica, iniciada em 1994, segundo informou o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), ontem.

O resultado foi influenciado por uma queda generalizada das exportações, principalmente de minério de ferro, petróleo, veículos, soja e derivados. Em outubro, o saldo do comércio internacional já havia ficado negativo em US$ 1,177 bilhão.

No acumulado do ano, o rombo atingiu US$ 4,22 bilhões, também o pior resultado para o período desde 1998, quando registrou deficit comercial de US$ 6,11 bilhões. De janeiro a novembro de 2013, as importações haviam sido maiores que as exportações em US$ 268 milhões.

No mês passado, as vendas internacionais do país somaram US$ 15,646 bilhões, com queda de 25% pela média diária das operações em relação a novembro de 2013. Pesou no resultado a retração nas vendas das três categorias de produtos: básicos, manufaturados e semimanufaturados. Já as importações ficaram em US$ 17,996 bilhões, com retração de 5,9% pela média diária em relação a novembro de 2013, num desempenho influenciado por queda nas compras ao exterior de bens de consumo, matéria-primas e bens de capital.



; Exportação

A queda mais acentuada das vendas brasileiras de itens básicos foi a de minério de ferro, -47,5%, mas também impactaram negativamente o resultado, o petróleo bruto (-12,6%), o farelo de soja (-34,3%) e a soja em grão (-76,6%). Entre os manufaturados, destacam-se as retrações em veículos de carga (-46,8%) e em automóveis de passageiros (-39,8%); e na lista de semimanufaturados com desempenho ruim, estão o ferro fundido (-41%) e o açúcar bruto (-11,9%).



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação