Há vida após o crack

Há vida após o crack

postado em 02/12/2014 00:00
 (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)

O tapeceiro José Divino Vieira, 48 anos, reconhece que sua história é triste, ;complicada, no mundo das drogas;, mas acredita que, com vontade, todos podem mudar de vida. Ele veio de uma família com boa condição financeira. Aos 19 anos, porém, saiu de casa, em Anapólis (GO), e abandonou o curso de direito no segundo ano, para viajar pelo Brasil. Começou a fumar maconha, depois, a merla, até encontrar o crack. ;Foi aí que a minha vida desandou. Fui para o fundo do poço;, conta.


Divino chegou a Brasília dominado pelo crack. Roubava para sustentar o vício. ;Tudo era para comprar droga, roubava comércios, farmácias. Não teve um comércio que eu não roubei por causa do crack, até o dia que Deus maravilhoso fez a obra na minha vida;, ressalta. O episódio ao qual o tapeceiro se refere aconteceu há cerca de seis anos, quando, em uma noite, assaltou um supermercado e acabou pego pelos funcionários da loja.


O grupo colocou Divino em uma sala enquanto decidia o que faria com ele. Alguns queriam dar uma surra. Outros, entregá-lo para a polícia. Havia até quem considerava matá-lo. O tapeceiro acredita que foi abençoado. ;Naquele momento, Deus estava presente. No meio daqueles homens, tinha um bom samaritano, o dono do mercado. Ele me mostrou os vídeos. Eu já tinha roubado aquele lugar 15 vezes e, em seguida, me perguntou se eu queria mudar de vida.;

Família
Após a resposta afirmativa, o empresário levou Divino à própria casa, o alimentou, deu banho e levou ao cabelereiro e ao barbeiro. ;Eu estava igual a um mendigo, eu era um mendigo. Estava sem banho há mais de 30 dias e barbudo e cabeludo. Ele cuidou de mim e me deu até roupas novas;, lembra o ex-viciado, com os olhos cheios de água. Em seguida, os dois se encaminharam à Sonho de Liberdade. Ao chegar à cooperativa, Divino começou a trabalhar e logo se tornou o responsável pela produção e reforma de sofás.


A única tristeza de Divino é a distância da esposa e das filhas, que moram na Bahia. ;Mudei de vida e pude entrar em contato com elas de novo, isso me faz muito feliz. Estou recuperando a maior riqueza que Deus me deu, a minha família;, destaca. Como mensagem aos que querem mudar de vida, ele afirma: ;Todos temos uma porta de mudança dentro de nós, quando a abrimos. Deus está lá nos esperando com os braços abertos, mas só nós podemos abri-la;.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação