Turca que morreu ao defender jovens vira heroína na Alemanha

Turca que morreu ao defender jovens vira heroína na Alemanha

Multidão homenageia estudante de origem turca morta quando defendia duas adolescentes vítimas de agressão sexual. Episódio comoveu o país e alimentou discussões sobre segurança, solidariedade e cidadania

postado em 04/12/2014 00:00
 (foto: Boris Roeessler/DPA/AFP)
(foto: Boris Roeessler/DPA/AFP)





Uma multidão reuniu-se ontem no subúrbio de Frankfurt para prestar homenagens à jovem de origem turca Tugce Albayrak, estudante de pedagogia de 23 anos, cuja morte comoveu a Alemanha e a transformou em exemplo de coragem no enfrentamento da violência sexual. Ela passou duas semanas em coma depois de ter sido agredida por socorrer duas adolescentes vítimas de assédio no banheiro de uma rede de fast food. Desde que foi anunciada a morte cerebral, repetiram-se vigílias pela jovem, que chegou a ser elogiada pelo presidente Joachim Gauck como ;um modelo para todos nós;.

Apesar da baixa temperatura, a cerimônia fúnebre foi realizada ao ar livre, diante de uma mesquita em Waechtersbach, subúrbio que abriga numerosa comunidade turca. Moradores, ativistas e autoridades misturavam-se com familiares e amigos, que exibiam camisetas e cartazes estampados com o retrato de Tugce. Bandeiras da Alemanha e da Turquia foram colocadas ao lado do caixão, coberto por um pano verde com inscrições douradas em árabe. O rito islâmico, celebrado em alemão e em turco, foi acompanhado pelo embaixador da Turquia, Hueseyin Avni Karslioglu, pelo governador do estado de Hesse, V;lker Bouffier, e por outros representantes políticos. A jovem foi enterrada na cidade natal, Bad Soden-Salmuenster, a 8km de Waechtersbach.

O drama da jovem, que se preparava para ser professora de alemão e ética, começou na madrugada de 15 novembro, quando ouviu pedidos de socorro de duas adolescentes e interveio contra um grupo de ao menos três homens que se concentravam no banheiro de uma lanchonete, na cidade de Offenbach, próxima a Frankfurt. Segundo a imprensa alemã, Tugce estava em companhia de duas amigas, com quem ficou por mais uma hora na lanchonete. Na saída, no estacionamento, um jovem de 18 anos, que está sob custódia da polícia, teria acertado Albayarak na cabeça.

Um vídeo divulgado na segunda-feira mostra uma confusão no estacionamento e outro homem tentando controlar o agressor. A polícia evitou divulgar detalhes da investigação, mas confirmou que o rapaz teria assumido a responsabilidade pelo ataque. Tugce perdeu a consciência e entrou em coma, sobrevivendo com a ajuda de aparelhos. Com o diagnóstico de morte cerebral, a família da jovem deu consentimento para que os equipamentos fossem desligados na última sexta-feira, quando ela completou 23 anos.

O caso entristeceu e revoltou milhares de pessoas, que participaram de vigílias e manifestações. Uma petição on-line pedindo que Tugce seja condecorada com uma medalha póstuma de mérito contava até ontem com mais de 170 mil assinaturas. A coragem da jovem despertou uma série de debates internos sobre solidariedade, e ela foi apontada como exemplo de cidadania. Um porta-voz da chanceler (chefe de governo) Angela Merkel informou que ela apoia a ideia, mas lembrou que a decisão cabe ao presidente. Em carta enviada à família da jovem, Joachim Gauck disse estar chocado. ;Tugce ganhou a gratidão e o respeito de todos;, escreveu ele. ;Ela vai permanecer um modelo para nós. O país está em luto com vocês.;

Falando ao jornal Bild am Sonntag, o pai da estudante disse que ;o primeiro dia sem Tugce foi como um dia sem amanhã;. O presidente da União Turco-Islâmica da Alemanha para os Assuntos Religiosos, Hakan Akbulut, confirmou a desolação da comunidade. ;Estamos todos muito tristes;, disse à rede pública Deutsche Welle. ;É uma situação de muita emoção para todos nós.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação