Diálogo para integração do BRT

Diálogo para integração do BRT

Especialistas defendem as mudanças previstas pelo governo para implementar o Expresso DF Sul, desde que sejam feitas de forma gradativa e com consulta à população. GDF alega economia de tempo e dinheiro

» THIAGO SOARES Colaborou Matheus Teixeira
postado em 04/12/2014 00:00
 (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)


Antes mesmo de ser implantado em sua totalidade, o sistema de integração do Expresso DF Sul virou alvo de críticas por parte dos usuários. Houve protesto. Na terça-feira, uma manifestação com cerca de 300 pessoas levou o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) a suspender temporariamente o processo. Apesar da resistência dos passageiros, especialistas apontam que a integração representa um benefício para a população. Entre os motivos, a tarifa única e a melhoria da mobilidade urbana.

Hoje, além do BRT, os moradores do Gama e de Santa Maria contam com 16 linhas, que saem diretamente para Cruzeiro, Guará, Lago Sul, Núcleo Bandeirante, Paranoá, SAAN, SIA, SMU, Sudoeste, W3 Norte e Sul. A proposta do governo é eliminar os percursos atuais para compor o novo sistema (leia A integração). ;Agora, os passageiros precisam enfrentar o trânsito normal. A integração representa economia de tempo e dinheiro. A pessoa transitaria por uma faixa exclusiva, e o tempo para chegar à localidade escolhida seria menor;, explica o diretor do DFTrans, Jair Tedeschi.

No último sábado, o DFTrans deu início às mudanças. Se antes os usuários das duas cidades seguiam diretamente para os seus destinos, passaram a embarcar no Expresso DF Sul e, por último, em um terceiro coletivo. A auxiliar de serviços gerais Maria José da Silva, 52 anos, percebeu a diferença e não aprovou. Usuários que, como ela, seguiam para Cruzeiro, Guará, Lago Sul, Núcleo Bandeirante, Paranoá, SAAN, SIA, SMU e Sudoeste tiveram de desembarcar na Estação Park Way a fim de pegar outro coletivo para o destino final. ;Isso deveria ser uma opção e não obrigar a gente a ir no Expresso DF. Indo direto da minha quadra até o serviço, gasto 45 minutos. Com a integração, gastei 1h30. É cansativo ter de subir em três veículos.;

O técnico de informática Carlos Eduardo Freitas, 36 anos, identificou a vantagem do novo sistema na hora de ir para o serviço. ;Economizei 40 minutos;, comenta. Mas apontou duas falhas. ;Falta uma estrutura adequada para pegar os coletivos no Park Way (às margens da Estrada Parque Indústria e Abastecimento, a Epia). Tive de esperar ônibus na chuva. Na volta para casa, peguei o BRT lotado por quem vinha da Rodoviária;, queixou-se.

Sincronia

Apesar das críticas, Willy Gonzales Taco, mestre em transportes urbanos e professor da Universidade de Brasília (UnB), avalia que a integração representa vantagens para os usuários. ;A intenção do DFTrans é válida. É necessária a implantação de novos sistemas, porém isso tem que ser gradativo e não da maneira como foi feita. A população enfrentou dificuldades com a ausência de informação. Isso mostrou a necessidade de planejar a mudança. Mas é boa porque alia a mobilidade urbana e a economia de custos no transporte;, defendeu.

O especialista em trânsito David Duarte Lima avalia que a implantação total do BRT, feita da maneira correta, é aliada para a solução de parte dos problemas no tráfego. ;Ela é necessária. Você tira os veículos de circulação das vias principais para os passageiros pegarem em outros destinos. É mais barato e econômico para o sistema de transporte;, aponta. ;Mas tudo tem de ser sincronizado. O usuário deve chegar à estação do Park Way e o ônibus precisa estar lá. Isso não acontece aqui. No DF, a tentativa de implantação foi um erro. O governo não ouviu a população, fundamental em todo o processo.;

O coordenador da área técnica da transição do governo Rollemberg, Carlos Henrique Tomé, evitou comentar a mudança implementada pelo DFTrans. ;Não estudamos os detalhes para opinar se as alterações são ou não boas para a população. O problema foi a forma como fizeram. Uma decisão dessa natureza tem de ser discutida com os usuários do transporte público e amplamente divulgada antes de entrar em prática;, afirma.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação