Suspeito detido com arma é ex-militar

Suspeito detido com arma é ex-militar

» THIAGO SOARES
postado em 13/12/2014 00:00
 (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)

O acesso a informações sobre a rotina da guarda presidencial facilitou a ação do suspeito de roubar uma espingarda de um soldado da Residência Oficial da Granja do Torto. Levada há três dias, a arma foi recuperada na quinta-feira em Santo Antônio do Descoberto (GO), a 60km de Brasília. O suspeito, Alessandro Viana Galvão, 20 anos, é considerado desertor do Exército Brasileiro. A instituição, porém, não revelou em qual unidade o ex-soldado estava lotado nem se fazia parte da equipe responsável pela vigilância da casa de campo da Presidência da República.

De acordo com a Polícia Civil de Goiás, o acusado mora em Santo Antônio do Descoberto. Ele teria subtraído a arma com o objetivo de se defender de uma desavença na região. Na noite de quinta-feira, o homem foi até um bar para encontrar o rival. Para intimidar o desafeto, Alessandro efetuou dois disparos para o alto com a espingarda calibre 12 do Exército. Segundo testemunhas, depois disso, ele seguiu em direção à residência dele, na Quadra 10. A Polícia Militar de Goiás foi acionada e se dirigiu ao local. Lá, os PMs localizaram o armamento escondido nos fundos do terreno e identificaram sinais de que pertencia ao Exército.

Segundo o titular da Delegacia de Polícia de Santo Antônio do Descoberto, delegado Felipe Socha, Alessandro tentou fugir. ;Estava seguindo de ônibus para a casa da mãe, em Brasília, quando os policiais ligaram para ele. No mesmo instante, o autor confessou o crime e foi convencido a se entregar;, explica. O suspeito foi preso na DF-280, entre a cidade goiana a Samambaia.

À Polícia Civil, o soldado Danilo Marques disse que fazia a guarda no Posto 4 da Residência Oficial, quando, por volta das 3h30 de terça-feira, ouviu um barulho no matagal próximo à guarita onde ele estava. Ao se aproximar, teria sido abordado por três homens armados e encapuzados. Ao contrário do que diz a vítima, no entanto, em depoimento, Alessandro contou que estava sozinho. ;Ele falou que conhecia a rotina. Aproveitou que percebeu que a vítima estava dormindo para agir. Confessou que utilizou um alicate para cortar a cerca e invadir o local;, revela Socha.

Na madrugada de ontem, Alessandro foi conduzido ao presídio de Águas Lindas (GO). Pela manhã, o Exército o transferiu para a carceragem da instituição, em Brasília. ;Ele havia cometido a deserção e agora tem esse novo crime. Vamos confrontar os fatos e os depoimentos do autor e da vítima. O inquérito segue com todas as hipóteses em apuração;, explicou o coronel Gilberto Breviliere, assessor de Comunicação do Comando Militar do Planalto. Essa investigação ocorre paralelamente à da Polícia Civil do DF e deve ser concluída em até 30 dias.


Coração em caixa de isopor

Um caso inusitado aconteceu na manhã de ontem na residencial da 116 Sul. Quando operários chegaram para trabalhar, às 6h, em uma obra no Bloco E, encontraram uma sacola vermelha dentro de um contêiner de entulho. ;Um amigo abriu o isopor que tinha dentro do embrulho, achou que fosse uma carne e me chamou. Quando cheguei e puxei a sacola que estava lá dentro, vi que era um coração;, contou o ajudante de pedreiro Jacildo Pereira Castro, 45 anos. Dentro da caixa, havia gelo, e o suposto órgão estava congelado. Jacildo não soube dizer se era coração de animal ou de humano. Ele, então, ligou para o 190. A equipe do 1; BPM levou o material para a 1; Delegacia de Polícia Civil (Asa Sul), onde o caso é investigado. De acordo com a Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom), o órgão foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML) para exames. Segundo o Centro de Captação de Órgãos da Secretaria de Saúde, existe a possibilidade de ser um coração de animal.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação