Faz por R$ 400 mil?

Faz por R$ 400 mil?

Corinthians formaliza proposta a Tite e espera receber a resposta neste fim de semana. A um mês das eleições no clube, a novela da contratação desgasta imagem do treinador com a situação e a oposição

postado em 13/12/2014 00:00
 (foto: Twitter/Reprodução)
(foto: Twitter/Reprodução)

Adenor Leonardo Bacchi, o Tite, teria pedido entre R$ 650 mil e R$ 700 mil para retornar ao Corinthians, mas o Timão quer pagar menos ao favorito a substituir Mano Menezes. O treinador vencedor do Campeonato Brasileiro, da Libertadores e do Mundial de Clubes à frente do alvinegro analisa com seu empresário, Gilmar Veloz, uma oferta de R$ 400 mil. A proposta é inferior ao que ele ganhava na última passagem ; R$ 600 mil.


Nos bastidores, a expectativa é de que o martelo seja batido. Na interpretação de Roberto de Andrade, candidato da situação nas eleições presidenciais de fevereiro do Corinthians, apenas uma reviravolta reabriria a negociação com o plano B: Oswaldo de Oliveira. Tite estava em São Paulo e retornou a Porto Alegre. Ele também analisa uma sondagem do Internacional.
A novela ganhou novos capítulos ao saber que uma suposta oferta de R$ 700 mil gerou protestos tanto da situação quanto da oposição. Ontem, durante o ;Coaching de Excelência;, um seminário ministrado pela psicóloga Suzy Fleury, no Rio, Tite rebateu as informações. ;Isso (valor) é irreal. Injustificável. Ficam jogando valores que não conferem. É necessário muita responsabilidade;, chiou.


Cabo eleitoral do oposicionista Paulo Garcia, Fran Papaiordanou reclamou do pedido de Tite. ;Com as finanças do clube da maneira como estão, é um crime pagar R$ 700 mil para um treinador, por melhor que ele seja. O Tite poderia ser nossa escolha também, mas nunca por esse valor. Além disso, é um desrespeito com a instituição um conselheiro que não tem cargo na diretoria e que é candidato a presidente contratar técnico usando a máquina em sua campanha;, disparou, em entrevista ao UOL.


Um apoiador da candidatura de Antonio Roque Citadini também elevou o tom. ;O Corinthians virou terra de ninguém. Não que o Tite não mereça, mas o clube pega dinheiro emprestado com empresário dando jogadores da base em troca para poder pagar os salários. De que jeito vai pagar R$ 700 mil para o treinador?;, afirmou Rubens Gomes.
Outro candidato, Ilmar Schiavenato também detornou a negociação. ;Acho um absurdo o candidato (Roberto Andrade) fazer o papel do presidente e contratar. O Tite é um bom treinador, mas o clube não consegue pagar direito de imagem, como vai pagar essa quantia? É irresponsabilidade;, reclamou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação