Um escritor e seus dois fantasmas

Um escritor e seus dois fantasmas

» Vera Lúcia de Oliveira
postado em 13/12/2014 00:00
 (foto: Marcos Fernandes/CB/D.A Press - 19/3/99)
(foto: Marcos Fernandes/CB/D.A Press - 19/3/99)



;Um médico vale por muitos homens;, disse Horácio Cratius, poeta latino que viveu no século 1 a.C.. Um professor também. Principalmente se esse professor for Eduardo Halfon, personagem-narrador de O boxeador polaco (Ed. Rocco, 2014), livro de Eduardo Halfon.

O mestre lida com a atualíssima questão de ensinar a quem não quer aprender. É professor universitário de jovens que preferem qualquer coisa a ler livros. É, portanto, um desafio para o aparentemente cético mestre que, no fundo, ainda crê em algum tipo de milagre. Ou seja, de conquistar algum leitor. Leem Poe, Maupassant, Joyce, aos trancos e barrancos, mas nem tudo está perdido... Há um certo Juan Kalel que responde ao chamado da grande arte: poeta, leitor que se revela brilhante, recarrega as baterias do professor descrente... O resto é surpresa.

Esse é apenas o primeiro conto/relato(?) dos seis magníficos com que o autor nos brinda. Já o que dá título ao livro fala-nos do avô com uma tatuagem no braço. E marcas mais que profundas na sua alma polaca. É um momento de grande beleza desse livro ; um presente da nossa moderna literatura latino-americana, da Guatemala, pequeno país que se torna grande por meio do seu mestre.

O boxeador polaco pede um conhaque, pois, como nos versos do Drummond, esses contos ;botam a gente comovido como o diabo.;

Vera Lúcia de Oliveira é
professora de Literatura.



O boxeador polaco

De Eduardo Halfon.
Tradução: Lui Fagundes.
Rocco, 128 páginas.
R$ 24,50

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação