Expectativa toma conta da Esplanada

Expectativa toma conta da Esplanada

Na véspera do réveillon, militantes do PT desembarcam na capital para acompanhar a posse de Dilma, mas há gente também que veio para protestar contra a corrupção na Petrobras

ANDRÉ SHALDERS
postado em 01/01/2015 00:00
 (foto: Fotos: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Fotos: Ed Alves/CB/D.A Press)

Palco da posse presidencial, a Esplanada da Ministérios virou ponto de encontro de turistas e militantes petistas na véspera de ano-novo. Desde as primeiras horas da manhã, eles começaram a chegar para a acompanhar os preparativos da cerimônia de recondução de Dilma, prevista para começar às 14h30 de hoje. Os petistas que já desembarcaram em Brasília contaram que o objetivo do Secretário-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, que deixa o cargo hoje, é trazer até 800 ônibus de todo o país, custeados em parte pelo fundo partidário. ;Só do Entorno do DF virão cerca de 100 ônibus. A expectativa do Gilberto (Carvalho) é trazer pelo menos 40 mil pessoas, do país todo;, contou o educador Thiago Lima, de 25 anos. Morador do Rio de Janeiro, Thiago preferiu se antecipar na vinda a Brasília para acompanhar a festa da posse. Já a Polícia Militar do DF estimou entre 100 e 200 mil pessoas o contingente previsto para a Esplanada.

O paraense Carlos Magno Arruda, de 54 anos, se gaba de ter sido o primeiro a chegar para a posse de Dilma. Ele e o amigo Robson Messias Lucas, de 44 anos, estão acampados na Praça dos Três Poderes desde o dia 18. ;É o acampamento coração valente;, diz Magno, o Magrão do PT, se referindo ao slogan utilizado na campanha presidencial. O militante posa para fotos ao lado do Fusca 1975 ; utilizado para percorrer os cerca de 2,5 mil quilômetros que separam o Palácio do Planalto do município de Bom Jesus do Tocantins (PA), onde vivem. ;Eu fui o primeiro a chegar em todas as posses do PT. Desde a primeira do Lula, em 2003;, conta Carlos Magno. O sindicalista, que faz aniversário hoje, espera ser recebido por Dilma Rousseff em algum momento da solenidade de posse.

O empresário André Rhouglas, de 54 anos, ocupa a Esplanada desde terça-feira com um protesto original: atado a uma cruz de madeira, o mineiro da cidade de Oratórios carregava faixas pedindo a apuração das denúncias contra a Petrobras. ;Não estou aqui para levantar a bandeira de Aécio nem a de Dilma, estou aqui para defender o que eu penso ser melhor para o nosso país;, disse ele.

Mas não serão só os militantes a acompanhar a posse de Dilma. O empresário Marcelo Rosa, 43 anos, e o bancário Vagner Getúlio, 36, vieram de Ribeirão Preto (SP) para visitar o tio Odalir Gomide, de 85 anos, que mora em Taguatinga. ;Já que coincidiu, viremos para ver a posse amanhã (hoje);, explica Marcelo. Simpatizantes de Dilma? ;Na verdade, votei no Aécio no 2; turno;, revela ele. ;Eu também;, acrescenta Vagner. Além dos trabalhadores responsáveis pela montagem da estrutura da festa, também foi possível ver ontem a comitiva do vice-presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden. O grupo inspecionava instalações e acertava os últimos detalhes com o cerimonial do Planalto.


Detalhes na faixa
A posse presidencial é repleta de tradições. As especificações de uso e formato da faixa do presidente, por exemplo, estão descritas em um decreto de 1910, assinado por Hermes da Fonseca. Ela é de seda, com 15cm. O brasão da República ao alto da faixa é bordado com fios de ouro, assim como a franja do objeto, que tem correntes de ouro. Uma joia com diamantes e uma moeda de ouro ficam presas à roseta. A moeda tem o brasão da República de um lado e, do outro, é escrita a frase ;Presidente da República Federativa do Brasil;, também cunhada a ouro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação