Mentor é enfermeiro

Mentor é enfermeiro

postado em 12/01/2015 00:00
 (foto: Bodo Marks)
(foto: Bodo Marks)


As mortes da semana passada na França fizeram com que o país começasse a passar a limpo a forma como enfrenta a ameaça do terrorismo. Ao rever os passos dos três terroristas mortos, a imprensa e as autoridades se deparam a cada dia com fatos surpreendentes. O mais recente deles, noticiado pela mídia europeia, é a de que o mentor espiritual dos irmãos franceses Chérif e Said Kouachi, que mataram 12 pessoas na sede da revista Charlie Hebdo, trabalha como enfermeiro no hospital para onde os feridos dos ataques foram levados. O ;emir; Farid Benyettou é, desde dezembro, estagiário na Unidade de Acidentes e Emergência do Hospital Pitié-Salpêtri;re.

Os irmãos Kouachi seguiram cursos religiosos ministrados por Benyettou em casas particulares e mesquitas de Stalingrad, um bairro popular do nordeste de Paris. Os registros da unidade de saúde mostram que o emir não estava trabalhando no dia do ataque à Charlie Hebdo. ;É impossível imaginar que esse homem ; que todos dizem ser um dos principais mentores dos irmãos Kouachi ; pudesse ter atendido as vítimas de seus ex-protegidos;, um médico do hospital disse ao jornal Le Parisien.

Outra revelação que chamou a atenção do público francês foi a de que Chérif deixou de ser monitorado de perto em 2010 pelas unidades antiterrorismo francesas por ser considerado ;de baixo perfil; de ameaça. Em entrevista à tevê francesa, o juiz Jean-Louis Bruguiere, que interrogou o suspeito diversas vezes, disse que ele se parecia mais como um criminoso comum do que com um terrorista. Na opinião de Bruguiere, a temporada que Chérif passou na prisão parece ter sido crucial para ele se aproximar de radicais islâmicos. ;Na cadeia, é muito difícil separar as pessoas. Então, ele teve muitos contatos com pessoas ligadas à Al-Qaeda.;

As investigações sobre os ataques em Paris ainda têm muito a responder. Ontem, uma afirmação do secretário de Justiça e procurador-geral dos EUA, Eric Holder, mostrou como há dúvidas sobre os espisódios. Holder disse que ;não há informação confiável; de que a Al-Qaeda esteja envolvida nos ataques que deixaram 17 vítimas. ;Não temos informação confiável que nos permita determinar qual organização é responsável.; Ontem, o Estado Islâmico divulgou nova ameaça, na qual diz que novos ataques ao Ocidente poderão ocorrer, visando policiais, civis e jornalistas.



Atentado contra jornal alemão



A decisão de republicar as charges do profeta Maomé custou caro ao jornal alemão Hamburger Morgenpost, de Hamburgo. Na manhã de ontem, pedras e uma bomba artesanal foram lançadas pela janela do arquivo do tabloide regional, destruindo parcialmente duas salas (foto). O fogo foi controlado rapidamente e ninguém ficou ferido. Duas pessoas foram detidas para investigação no momento em que tentavam deixar a Alemanha. Em Bruxelas, a sede do jornal belga francófono Le Soir, que também publicou as caricaturas, foi esvaziada ontem após ameaças de atentado à bomba, que se revelaram falsas.



20

Número de mortos em
um duplo atentado com
carro-bomba na
província de Aleppo,
no norte da Síria




Lealdade a Al-Baghdadi



Quase 10 ex-comandantes talibãs do Paquistão e do Afeganistão juraram lealdade coletiva a Abu Bakr Al-Baghdadi (foto), líder do Estado Islâmico, e designaram o mulá Omar, chefe do Talibã, como o ;emir; de um eventual califado. O anúncio foi feito em um vídeo de 16 minutos, no qual um homem que seria um soldado do Exército paquistanês é decapitado.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação