Mas o que raios está acontecendo?

Mas o que raios está acontecendo?

Pelo menos 11 pessoas morreram no DF vítimas de raios desde 2000. Durante a forte chuva de quinta-feira, um jardineiro ficou ferido após receber uma descarga elétrica. Especialistas apontam os cuidados para minimizar os riscos

» RENATO ALVES » ISA STACCIARINI » BERNARDO BITTAR » PALOMA SUERTEGARAY
postado em 24/01/2015 00:00
 (foto: Internet/Reprodução - 22/1/15 )
(foto: Internet/Reprodução - 22/1/15 )


O raio que atingiu o jardineiro Manoel Gonçalves da Silva (veja Perfil), 54 anos, deixou a população alerta sobre como se proteger das correntes elétricas naturais comuns durante fortes chuvas. A Região Centro-Oeste é uma das que mais têm incidência do fenômeno no país, ainda que o DF apresente uma das menores taxas (leia matéria ao lado). Com o período de chuvas, no entanto, os brasilienses devem tomar cuidados básicos e, assim, evitar acidentes causados por raios, tanto nas ruas quanto em casa. De acordo com estatísticas do Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), pelo menos 11 pessoas morreram no DF por descargas atmosféricas desde 2000.

O acidente com o jardineiro aconteceu na quinta-feira, na comercial na 209/210 Norte. A vítima abrigava-se embaixo de uma árvore quando foi atingida pela descarga elétrica. Os bombeiros levaram Manoel para o Hospital Regional da Asa Norte, onde segue internado, em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Antes, ele ficou em um box de emergência de uma unidade semi-intensiva. A filha de Manoel, Nathália Borges Silva, 29 anos, precisou recorrer à Defensoria Pública para conseguir a nova acomodação, já que não havia leitos disponíveis. No dia do acidente, o jardineiro sofreu duas paradas cardíacas: uma na 209/210 Norte e outra quando deu entrada no Hran. Até o fechamento desta edição, o estado dele ainda era grave, mas estável.

Ontem, o Correio conversou com Nathália. Ela contou que o pai trabalha em uma casa no Lago Norte, mas, todas as quintas-feiras, também cuida dos jardins em um prédio residencial na 410 Norte. Antes do acidente, a vítima tinha deixado o serviço e caminhava em direção a um ponto de ônibus para voltar para casa, em Planaltina. ;Os médicos disseram que ele corre o risco de ficar com alguma sequela cerebral, mas estamos na torcida para que isso não aconteça. Meu pai ainda teve duas feridas no estômago e, quando chegou ao hospital, regurgitava sangue;, relatou Nathália.

Manoel é natural do Tocantins, e a única parente dele em Brasília é a filha. Ele mora sozinho, dividindo o lote com Nathália. Ela contou que, há um mês, o pai teve uma hemorragia interna e foi internado. Além disso, no ano passado, ele desembarcava de um ônibus quando caiu na pista e quase foi atropelado. ;Agora, acontece o episódio do raio. Meu pai é um guerreiro, batalhador e nunca teve vida fácil. Desta vez, ele teve mais uma chance de continuar e vou dizer isso a ele assim que sair do hospital;, disse.

Cuidados

De acordo com a major Ester dos Santos, do Corpo de Bombeiros, alguns cuidados podem minimizar a possibilidade de uma pessoa ser atingida por um raio. ;Não podemos garantir que o raio nunca vá descarregar energia em uma pessoa, pois não existe 100% de proteção. Mas é fácil dificultar esse contato;, afirmou. Evitar ficar próximo de cercas ou alambrados, não descansar embaixo de árvores nem andar de bicicleta durante a chuva são algumas das medidas aconselhadas (veja arte).

De acordo com o diretor-geral do Departamento de Trânsito do DF (Detran), Jayme Amorim, o risco de ser atingido por uma descarga elétrica dentro de um carro é menor. Ele também enfatiza a importância de redobrar a atenção no período das chuvas. ;Os condutores devem manter pneus, para-brisas e freios em boas condições, além procurar diminuir a velocidade e aumentar a distância para o veículo da frente;, aconselha.

Quem está dentro de casa também precisa tomar medidas de segurança. Edifícios equipados com um sistema de prevenção contra descargas atmosféricas (SPDA), ou para-raios, têm menos probabilidade de acidentes. ;A obrigatoriedade do para-raios depende do tamanho do prédio, da localização e do número de moradores. A maioria dos blocos de seis pavimentos de Brasília deve ter um;, explica o engenheiro eletricista Mauro Moura. Segundo o especialista, o equipamento tem aproximadamente 95% de eficiência .

Perfil

Manoel Gonçalves da Silva, 54 anos

; Nasceu no município de Dois Irmãos, no Tocantins
; Trabalha como jardinheiro em uma casa no Lago Norte e, às quintas-feiras, em um prédio residencial da 410 Norte
; Mora em Planaltina-DF em
um lote dividido com a filha Nathália Borges Silva, 29 anos
; Pai de dois filhos: além de Nathália, Alexandre Correa
da Silva, 14 anos, que morreu
há 11 anos

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação