Esquema tinha operador na Suíça

Esquema tinha operador na Suíça

Ex-diretor da Petrobras revela existência de um integrante da quadrilha que vivia no país europeu a serviço de Fernando Baiano

JOÃO VALADARES
postado em 24/01/2015 00:00
 (foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 17/9/14)
(foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 17/9/14)

Em mais um termo de colaboração, prestado em 7 de setembro do ano passado, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa declarou que o esquema de corrupção na estatal contava com um operador na Suíça. Conforme informações do delator, Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano (apontado como o operador do PMDB no esquema), tinha um subordinado, chamado Diego, que morava no país europeu e vinha ao Brasil uma vez por ano para fazer a remessa ilegal de recursos desviados da Petrobras. ;Diego era quem cuidava das operações financeiras no exterior, de interesse de Fernando Baiano;, afirmou Costa.

No mesmo depoimento, o ex-diretor declarou que Baiano ofereceu US$ 1,5 milhão para não causar problemas na reunião de aprovação da compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O valor foi disponibilizado por Baiano em uma conta do Vilartes Bank, na Suíça. Costa salientou que, nessa mesma conta, recebeu recursos da empreiteira Andrade Gutierrez. A construtora nega a informação.

Procuradores de uma força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) estão na Suíça para tentar rastrear o caminho do dinheiro sujo repassado aos agentes públicos. Um dos principais objetivos é tentar reunir documentos para provar que a empreiteira Odebrecht pagou propina no exterior a Paulo Roberto Costa, como revelado por ele em depoimento prestado à Justiça Federal do Paraná. A empresa assegura que a informação não é verdadeira.

O ex-diretor informou ainda que, a partir de 2008 ou de 2009, a cobrança de propina à Andrade Gutierrez passou a ser feita por Fernando Baiano, e não mais pelo doleiro Alberto Youssef. Segundo o delator, ;isso significou que os valores pagos por aquela empreiteira passariam a ser destinados ao PMDB, que tinha em Fernando Baiano seu operador, e não mais ao PP;, destacou.

Paulo Roberto Costa também contou à Polícia Federal que Nestor Cerveró, ex-diretor da empresa, o lobista Fernando Baiano e o PMDB podem ter recebido entre US$ 20 milhões e US$ 30 milhões de propina pela compra da Refinaria de Pasadena. Na quinta-feira, a defesa de um dos empreiteiros presos ; Gerson de Mello Almada, da Engevix ; acusou Costa de extorquir as construtoras para ;gerar montantes; destinados a comprar o apoio dos partidos políticos que integram a base aliada do governo federal.

;O pragmatismo nas relações políticas chegou a tal dimensão que o apoio no Congresso Nacional passou a depender da distribuição de recursos a parlamentares;, diz um trecho da defesa apresentada pelo advogado Antonio Sergio de Moraes Pitombo. Almada é acusado de participar de um cartel criado para superfaturar obras que tinham como cliente a Petrobras. No último sábado, a Justiça Federal no Paraná negou o terceiro pedido de habeas corpus ao executivo.

Lista
A Justiça Federal do Paraná, à frente dos processos relativos à Operação Lava-Jato, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) trecho da investigação em que o deputado Nelson Meurer (PP-PR) é relacionado em uma lista por supostamente ter recebido R$ 159 mil do esquema de corrupção. O material, com o laudo da Polícia Federal, foi encaminhado ao gabinete do ministro Teori Zavascki, relator no STF dos processos da Lava-Jato.

Os lançamentos, feitos em 2008 e 2009, foram registrados em contabilidade do Posto da Torre, em Brasília, utilizado pela organização criminosa para lavagem de dinheiro. Até o fechamento desta edição, o Correio não havia conseguido entrar em contato com o parlamentar para que ele comentasse a denúncia.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação