Correio Econômico

Correio Econômico

Em poucos momentos da história do país se viu deterioração tão expressiva dos indicadores econômicos

Vicente Nunes vicentenunes.df@dabr.com.br
postado em 24/01/2015 00:00

O pior de Dilma


Os dados da economia referentes a 2104 são o resumo do que foi o primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff. Em poucos momentos da história do país se viu uma piora tão expressiva dos indicadores em tão curto espaço de tempo. Nada, nem mesmo o nível de emprego formal, que o governo petista sempre bateu no peito para alardear como conquista sua, conseguiu se manter intacto.

No passado, o total de vagas criadas ;396.993 ; foi o menor em 12 anos. Quando se olha para a frente, o que se vê é desemprego. Não há um só economista de respeito, mesmo do governo, que não projete mais demissões do que contratações ao longo de 2015. Na semana que vem, sairá o índice de desocupação de dezembro. O resultado mostrará o início de uma lenta, mas gradual, deterioração do mercado de trabalho. A perspectiva é de que a taxa média de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do país fique constantemente acima de 5% a partir de janeiro.

A coleção do pior de Dilma ficou maior com o rombo das contas externas. O buraco, de US$ 90,9 bilhões nas transações do país com o exterior, não tem precedentes em 67 anos. Quando se olha para o deficit em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), chega-se a 4,2%, o pior desde 2001, ano do fatídico racionamento de energia elétrica. Desde a crise cambial de 1999, o país nunca dependeu tanto de capital especulativo de curto prazo para fechar as contas. É essa dependência, por sinal, que faz com que a economia brasileira seja apontada como uma das cinco mais frágeis do mundo ao aumento das taxas de juros nos Estados Unidos.

Na próxima semana, será a vez de o Tesouro Nacional selar o desastre do primeiro mandato de Dilma: as contas públicas registrarão, em 2014, o primeiro deficit desde 1997, quando o país assumiu o compromisso formal de fazer superavits primários para pagar juros da dívida. O Banco Santander acredita que o rombo será de R$ 11,2 bilhões, o equivalente a 0,22% do PIB. Gente do governo aposta, porém, que o buraco pode ser maior, de R$ 20 bilhões. Seja qual for o resultado, será vergonhoso. Só comprovará o quanto a passagem de Arno Augustin pelo Tesouro fez mal ao país. Além de destruir o ajuste fiscal, ele minou a confiança na política econômica e travou o crescimento.

Todos sabem que Dilma não é de assumir erros. Pelo menos, não publicamente. Mas, nesse período de reclusão que tanto tem chamado a atenção, ela poderia fazer um balanço do que foi a gestão anterior e jamais repetir nenhum dos erros que custarão tão caro para o Brasil. A fatura entregue por ela à sociedade inclui recessão, um PIB negativo de ao menos 0,5% em 2015, desemprego, aumento das desigualdades sociais, mais impostos, inflação acima do limite de tolerância e tarifas públicas nas alturas.

Diante do caos provocado por Dilma, técnicos do governo dizem que o melhor a se fazer é não olhar para trás. O importante, ressaltam, é ter paciência para esperar por 2016. No próximo ano, se as medidas adotadas pela nova equipe econômica derem certo, o PIB mostrará sinais de vida. Não será, porém, nada que leve a comemorações. Os brasileiros ainda estarão contabilizando os estragos no orçamento. E, por bem, manterão o cinto apertado.


Pura enganação

A lista do pior de Dilma não pode ficar sem o racionamento. Durante a campanha à reeleição, ela negou veementemente que o país seria obrigado a economizar energia para evitar apagões. Disse que o país jamais repetiria o que se viu em 2001, quando o fornecimento de energia teve de ser reduzido para evitar um colapso. Afirmou, sem modéstia, que a passagem dela pelo Ministério de Minas e Energia era a garantia de que o Brasil construiu um sistema de geração e transmissão sólido. Pura enganação. Dentro do Palácio do Planalto, nos gabinetes mais próximos ao de Dilma, não se fala em outra coisa: o país terá que racionar água e energia, não há escapatória. Poucos acreditam, porém, que a presidente terá coragem de assumir publicamente que errou ; ou mentiu.


Tombini indica alta de 0,25 ponto
; Quem ouviu o discurso do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, em Davos, Suíça, convenceu-se de que o Comitê de Política Monetária (Copom) dará somente mais uma alta de 0,25 ponto percentual nos juros em março. A taxa subirá de 12,25% para 12,50% ao ano e deverá se manter neste patamar até o fim de 2015. Tombini está, agora, jogando parte do controle de inflação para a política fiscal.

Desmentidos de Levy
; O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, deu trabalho ontem para a sua assessoria de imprensa. Depois de levar um pito do Palácio do Planalto, ele obrigou a equipe a soltar dois comunicados negando que tivesse falado, em entrevistas a veículos estrangeiros, sobre reformas em benefícios sociais, como o seguro-desemprego, e em racionamento de energia.

Dívidas nas alturas
; A dívida externa brasileira disparou no governo Dilma. Saltou de US$ 351,9 bilhões, em dezembro de 2010, para US$ 554,7 bilhões. Para minimizar esses números, o governo diz que, do total, é preciso descontar os empréstimos entre companhias no mesmo grupo, de matrizes para filiais, que totalizam US$ 207 bilhões. Mesmo assim, não dá para relaxar. O Banco Central calcula que, no primeiro mandato da petista, os débitos no exterior passaram de US$ 256,8 bilhões para US$ 347,6 bilhões, puxados pelo expressivo endividamento de empresas e bancos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação