Falta de energia assusta a bolsa

Falta de energia assusta a bolsa

Crise hídrica derruba ações de empresas elétricas e de saneamento. Bovespa recua 1,35%. Dólar volta a subir

postado em 24/01/2015 00:00
A Bolsa de Valores de São Paulo (BM) caiu 1,35% ontem, após três dias de ganhos consecutivos, refletindo o medo de racionamento de energia e de água no Brasil. O Ibovespa, principal indicador do pregão, também foi pressionado pelas ações da mineradora Vale, que tiveram recomendação reduzida por um banco estrangeiro. O índice fechou em 48.775 pontos, encerrando a semana com baixa acumulada de 0,49%.

;Há uma preocupação geral com os setores de energia e de água, ainda mais com o ministro (de Minas e Energia, Eduardo Braga) afirmando que, se os reservatórios das hidrelétricas caírem abaixo do limite de 10%, o país pode precisar de racionamento. Isso prejudicará a economia como um todo;, disse o operador da Renascença DTVM Luiz Roberto Monteiro, referindo-se às declarações dadas na quinta-feira pelo titular da pasta de Minas e Energia, Eduardo Braga.

A Sabesp, concessionária de saneamento do estado de São Paulo, teve a maior queda entre as ações do Ibovespa, de 11,65%, diante de sinais de piora do cenário hídrico do país. Os papéis da mineira Copasa, que não integra o índice, despencaram 14,95%. Ontem, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) previu que as chuvas na Região Sudeste, em janeiro, ficarão em apenas 43% da média histórica. Também se destacaram as quedas da ações ordinárias da CPFL Energia (3,89%) e da Eletrobras (3,70%).

O índice também foi pressionado pela Vale, após o banco de investimentos norte-americano Goldman Sachs reduzir a recomendação para os papéis da mineradora ; de compra para neutra ;, diante da piora das previsões para os preços do minério de ferro, do níquel e do cobre. A preferencial da companhia caiu 5,32%. A empresa teve também sua nota de crédito rebaixada pela agência Standard & Poor;s.O Goldman cortou ainda o preço-alvo da ação da CSN de R$ 4 para R$ 3,80, mantendo a recomendação de venda. Com isso, os papéis da siderúrgica tiveram a terceira maior baixa do Ibovespa, com retração de 6,19%.

Ações de bancos também recuaram, assim como as da Petrobras, com o mercado na expectativa pelo balanço do terceiro trimestre da estatal, que pode ser divulgado na próxima terça-feira. A empresa informou ontem que ainda avalia o valor de baixas contábeis que poderá fazer em função dos desdobramentos da Operação Lava-Jato.

No sentido oposto, a operadora Oi ganhou 3,55%, depois de já ter subido 32,2% nos dois pregões anteriores pela expectativa de aprovação por acionistas da Portugal Telecom da venda de seus ativos portugueses à Altice. A aprovação ocorreu na véspera, encerrando várias semanas de incerteza..

Câmbio
Após cair 3% nas últimas três sessões, o dólar reagiu e subiu 0,56%, alcançando R$ 2,589 para venda, um dia depois de o Banco Central Europeu anunciar um programa de estímulos econômicos de 60 bilhões de euros por mês, que deve elevar a liquidez global. A alta foi interpretado pelos analistas como um movimento corretivo. ;Os cenários interno e global estão favoráveis (ao real), mas sempre que há uma queda grande como a de quinta-feira, o mercado ajusta carteiras;, disse o operador de Câmbio da Corretora Intercam Glauber Romano.

No dia anterior, a perspectiva de que parte dos recursos que o BCE injetará no mercado migre para o Brasil em busca de rendimentos elevados ajudou o dólar a ampliar a trajetória de perdas das últimas sessões e se firmasse abaixo de R$ 2,60.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação