Sr. Redator

Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

postado em 17/03/2015 00:00


Manifestações

No domingo, tivemos a reedição das manifestações de 2013. Na essência, as pessoas exigem a mesma coisa: serviços públicos de qualidade; que o governo pare de financiar obra estrangeira, via BNDES; e que o Judiciário mande corrupto para a cadeia. As pessoas deixaram bem claro que não aceitam o modelo bolivariano de governo e que estão cansadas dos tais movimentos sociais. Esperam que o governo diminua o número de ministérios, mande o exército de comissionados embora e incentive a indústria a voltar a crescer. Algumas pessoas desesperadas, e mal informadas, pedem intervenção militar. As Forças Armadas não têm poder moderador na Constituição. Caso a ideia vingasse, quem defende isso nunca teria outra oportunidade para protestar na rua, porque em ditadura manifestante vai para a cadeia e é torturado. Ditadura é sinônimo de atraso. Defender isso em público é crime previsto na Lei 7.170/83, artigo 23, na mesma medida do que fez Lula ao convocar o ;exército; de Stédile.
; Carlos Frederico,
Asa Norte

; Existem certos procedimentos que irritam qualquer pessoa, seja uma sábia, seja uma pacata e leiga cidadã. Lendo notícias em diversos meios de comunicação, de repente me deparei com a seguinte frase: ;Petistas reclamam da prisão do Duque;. Ora, a companheirada deve dar graças a alguém por esse atravessador de recursos públicos não estar preso a mil anos atrás. O cara não toma jeito, depois de estar todo enrolado, na Operação Lava-Jato, ainda teve a petulância de transferir propina no exterior. Outra coisa que não pegou bem, a dupla de ministros abordar assuntos de forma diferenciada, ou seja, um falava a linguagem venezuelana e o outro, jurídico português, prejudicados pela repetição do assunto enfocado.
; Yêda Rios
Lago Norte

; Para os ministros da Justiça e da Secretaria da Presidência da República, em entrevista na noite de domingo, os nossos únicos problemas são decorrentes da corrupção e da necessidade de uma reforma política, que acabe com as doações empresariais de campanha. Gostaria de sugerir artigo a ser incluído no texto da legislação da reforma política com o seguinte teor: ;O candidato que mentir durante a campanha eleitoral, quer pela apresentação de promessas que não poderá cumprir, quer sobre medidas que promete nunca promover, quer sobre a imputação de vilanias aos demais candidatos que competem pela mesma vaga, deverá ter a diplomação cancelada, perder imediatamente o cargo bem como o direito à nova candidatura pelo período de 8 anos; . Creio que a contribuição apresentada poderá auxiliar os ministros na árdua tarefa a que se propõem.
; Ronaldo Rangel de Albuquerque,
Asa Sul

; Na entrevista, após as manifestações de domingo, os dois ministros escalados para falar em nome do governo repetiram ad nauseam clichês surrados sobre democracia, sobre o fato de a democracia permitir livre manifestação de opinião, insistindo que a tolerância faz parte do regime democrático. No entanto, o sr. Rosseto deixou escapar o que realmente pensa e sente no íntimo, ao chamar os manifestantes de ;fascistas e golpistas;. Era impressionante ver nas ruas idosos, deficientes físicos, crianças, pessoas sem instrução ; todos fazendo parte das multidões de fascistas e golpistas. Falaram, falaram e tudo ficou no mesmo. Triste país.
; João Moreira Coelho,
Asa Sul

; Ninguém com um mínimo de sensatez pode apoiar a desastrosa política econômica atual nem a empáfia dos gênios petistas. Isso, porém, não justifica o ensandecimento de certa parte da população que pede o impeachment e o retorno ao regime cinza da ditadura. Posso afirmar que estão mexendo em vespeiro e dando tiro no próprio pé. É ingenuidade imaginar que os saudosistas do regime de exceção, filhos e netos doutrinados, estejam conformados com a democracia (vide escolha do filho de Médici como paraninfo nas Agulhas Negras e os inimagináveis cartazes nas passeatas pedindo a derrubada do poder constituído).
; Renato Vivacqua,
Asa Norte

; Os pronunciamentos dos ministros da Secretaria-Geral da Presidência e da Justiça que ocorreram agora logo após as manifestações demonstram uma total desconexão com a realidade e com o desejo da população. Apresentar como soluções reforma política, com o financiamento público de campanha, que tende a concentrar ainda mais poder nas mãos do governo, e medidas contra a corrupção, quando nosso maior problema é a impunidade, é um desrespeito à inteligência dos brasileiros.
; João Batista Rebés Trindade,
Águas Claras




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação