Carestia compromete almoço de Páscoa

Carestia compromete almoço de Páscoa

» RODOLFO COSTA
postado em 19/03/2015 00:00




A Páscoa deste ano promete destroçar a renda dos consumidores. Tudo relativo às comemorações está mais caro do que em 2014. Do ovo de chocolate à tradicional bacalhoada, a carestia vai tornar a mesa dos brasileiros menos farta. Mesmo as pesquisas de valores não serão suficientes para evitar a inflação, que está disseminada (veja quadro). Substituir produtos pode ser a melhor estratégia para amenizar a pressão no bolso sem deixar de comemorar a data.

Em 12 meses, a cesta com produtos que compõem a bacalhoada teve variação de mais de 27%. A batata inglesa, um dos principais ingredientes, avançou 56,88% nesse período, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de fevereiro. A tendência é de que itens com cotação em dólar, como o bacalhau ou chocolate ; que tem cacau como matéria-prima ;, continuem com o preço em alta nos supermercados. Na Páscoa do ano passado, a moeda norte-americana era cotada a R$ 2,25, e, ontem, chegou a R$ 3,25, um reajuste de 44%.

Na tentativa de comprar bacalhau de qualidade com o menor preço possível, o empresário Moacir Antônio Canal, 48 anos, pesquisou o preço em quatro supermercados, apenas nesta semana. Dono de um restaurante em Brasília, ele prevê que terá de cobrar mais caro pelo prato tradicional da semana santa. ;Em alguns supermercados, o quilo chega a R$ 80. No ano passado, o mais caro que eu encontrava era R$ 50;, contou ele, que também criticou os valores da batata-inglesa e de outros legumes. ;Está tudo muito caro;, reclamou.

Os ovos de Páscoa podem ser encontrados, nos supermercaos, a partir de R$ 5, por um item de 45g, e os com mais de 700g ultrapassam R$ 70. Os valores assustaram a aposentada Nelsina Francisca de Oliveira, 72, que planeja presentear os quatro netos. ;Queria poder levar alguns com gramatura acima de meio quilo, mas não tenho condições financeiras. E ainda vou ter que comprar no cartão de crédito;, afirmou.

A prática de financiar a compra é desaconselhada pelo gerente de Economia da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), Christian Travassos. Em um ano, a taxa média de juros ao consumidor saltou de 44% ao ano para 55% ao ano. A renda média do trabalhador, que subia 3%, agora cresce a 1%. ;Em um cenário de aumento do desemprego e elevação de juros, é prudente evitar o uso do cartão de crédito e os gastos excessivos para não correr o risco de desorganizar a condução do orçamento;, avaliou.

Uma sugestão para reduzir os gastos, é optar por uma estratégia caseira. Em um ano, a média dos ingredientes para a produção de ovos de Páscoa subiu 1,6%, número aquém da variação de 10% de bombons e chocolate em barra, analisou Fábio Bentes, economista-sênior da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Outra opção é substituir a mercadoria por outros itens de valor equivalente ao pago no ano passado. ;Pode desembolsar a mesma quantia em uma peça de vestuário. Assim, vai conseguir preservar o orçamento;, destacou Bentes. Roupas infantis, masculinas e femininas subiram, respectivamente, 3,8%, 3,4% e 1,2%.

A Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) não se manifestou sobre o aumento do preço dos ovos, mas recomendou que o consumidor não deixe para comprar o produto na última semana e pesquise, além do preço, tipos de embalagem, sabor e tamanho.

Inflação (Em %)
Tudo está mais caro na Páscoa. Do ovo de chocolate aos itens para a fazer a tradicional bacalhoada. Veja reajustes acumulado em 12 meses, conforme o IPCA

Batata-inglesa 56,9
Cebola 23,5
Tomate 17,9
Vinagre 17,6
Alho 17,4
Chocolate 10,0
Pescados (*) 10,2
(*) Incluindo bacalhau

Fonte: IBGE



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação