Curtas

Curtas

postado em 19/03/2015 00:00
 (foto: NIicholas Kamm/AFP)
(foto: NIicholas Kamm/AFP)

; OEA
MOMENTO DE RENOVAÇÃO



Com 33 votos e uma abstenção, o ex-chanceler uruguaio Luis Almagro (foto) foi referendado ontem como novo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, em substituição ao chileno José Miguel Insulza. ;Meu esforço estará centrado em fazer da OEA um instrumento útil a todos os interesses das Américas;, afirmou em seu discurso na sede da entidade, em Washington, diante de 19 chanceleres da região. Almagro, um advogado de 51 anos, ficou como único aspirante ao cargo depois que o ex-presidente da Guatemala Eduardo Stein retirou sua candidatura, alegando problemas de saúde. O diplomata uruguaio ficará no comando da OEA até 2020 com a urgência de promover sua renovação e recuperar seu protagonismo. ;Não me interessa ser o administrador da crise da OEA, mas o facilitador de sua renovação;, assinalou. Para ele, é necessário dar um choque de realidade à entidade e fazer com que se concentre em promover um diálogo político ;com resultados tangíveis em áreas chave para a democracia, os direitos humanos, a segurança e o desenvolvimento; da região.


; TABACO
OMS CONTRA A INDÚSTRIA

Durante conferência mundial em Abu Dhabi, a diretora da Organização Mundial de Saúde (OMS), Margaret Chan, pediu ontem uma reação internacional para forçar a indústria do tabaco a ;fechar as portas;. Chan comemorouo o progresso na luta contra o tabagismo em vários países, como a Austrália, pioneira na adoção de embalagens neutras para os cigarros. ;Este vai ser um combate difícil, mas nós não devemos desistir até que a indústria do tabaco feche as portas;, ressaltou. Segundo os organizadores do encontro, quase metade dos fumantes atuais morrerão em decorrência de doenças ligadas ao tabagismo. De acordo com a OMS, o tabagismo mata uma pessoa a cada seis segundos ; quase 6 milhões de pessoas mortas em todo o planeta todos os anos. Ao todo, o tabaco poderia matar 1 bilhão de pessoas ao longo do século 21, estima a organização.


; CÚPULA DAS AMÉRICAS
AGENDA MANTIDA

As tensões entre os Estados Unidos e a Venezuela não devem alterar a agenda da Cúpula das Américas, que será realizada no próximo mês. ;Até agora, ao que tudo indica, a vontade é levar adiante os temas de equidade no continente e como conseguir isso. Todos os países estão de acordo em relação a manter esse diálogo;, assinalou María Luisa Navarro, vice-chanceler do Panamá, o anfitrião do encontro. Na semana passada, o governo de Barack Obama classificou a Venezuela como uma ;ameaça extraordinária e incomum; à segurança dos EUA. A maior expectativa da reunião é a possível participação de Obama e Castro, além de uma hipotética reunião bilateral entre os dois governantes. No entanto, Navarro disse que ;não sabemos de reunião entre os dois presidentes;.


; ITÁLIA
UM TESTE PARA RENZI

Há 13 meses no cargo, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, enfrenta o primeiro escândalo de corrupção de seu governo, envolvendo políticos, empresários e funcionários do Ministério de Obras Públicas, comandado por Maurizio Lupi. ;Não renunciarei. Estou tranquilo, o governo me apoia;, declarou Lupi, ontem, na Câmara dos Deputados. O escândalo veio à tona após a prisão, no início da semana, de Ercole Incalza, que por muitos anos exerceu a função de supervisor de obras públicas do ministério. A partir daí, foi revelada uma rede de negócios ilícitos entre empresários e políticos. Suspeita-se que o esquema montado há décadas por Incalza, que acaba de se aposentar, foi aplicado em licitações para a construção das linhas de trens de alta velocidade, de alguns pavilhões da feira universal que acontece este ano em Milão, da Expo15, de linhas do metrô de Roma de Milão e de trechos da Rodovia do Sul. No total, 50 pessoas estão sendo investigados por corrupção, peculato e irregularidades na administração pública.


; APÓS CICLONE
ILHAS AINDA ISOLADAS



Cinco dias após a devastadora passagem do Ciclone Pam, as ilhas mais afastadas do Arquipélago de Vanuatu permanecem totalmente isoladas. As associações de ajuda internacional enfrentam um quebra-cabeças logístico para atender os 270 mil habitantes das 80 ilhas de Vanuatu, um dos países mais pobres do planeta. O primeiro-ministro Joe Natuman informou que será necessária pelo menos uma semana para esclarecer a situação ; a magnitude dos danos e das necessidades continua desconhecida, em grande parte. O Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU (Ocha, na sigla em inglês) revisou o balanço de mortos, que caiu de 24 para 11, vitimados pelo ciclone que provocou rajadas de vento de 320 km/h. Port Vila, a capital, na ilha de Efate, foi uma das principais áreas afetadas, assim como as ilhas meridionais de Tanna e Erromango.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação