Um mal brasileiro

Um mal brasileiro

O trágico diagnóstico do consumo de artes no DF se reflete por todo o país. A demanda por uma nova política cultural é nacional e urgente

» DIEGO PONCE DE LEON
postado em 19/03/2015 00:00
 (foto: Julio Lapagesse/CB/D.A press)
(foto: Julio Lapagesse/CB/D.A press)


Ao longo dos últimos dias, por meio desta série de reportagens, cruzamos com um panorama pouco favorável à cultura. Esbarramos com artistas carentes de espaços, pais que buscam uma melhor formação para os filhos, professores militantes que tentam intervir por meio de projetos e um público refém do descaso das autoridades. A pesquisa do próprio governo, realizada pela Codeplan, transparece uma realidade atroz: 86,74% dos brasilienses nunca frequentaram teatro, enquanto 63,54% não cultivam qualquer hábito de leitura. Museus, cinemas e bibliotecas também registram baixa procura.

De alguma maneira, a situação local reflete uma precariedade que se estende por todo o país (confira quadro). Entre as dificuldades percebidas, a psicóloga, mestre em educação e professora aposentada da Universidade Federal do Ceará Vivina Rios Balbino aponta a falta do hábito de leitura como uma das principais preocupações a serem sanadas, seja no Distrito Federal ou no resto do Brasil. ;É de fundamental importância incentivar a formação do hábito de leitura na criança desde cedo. Dessa forma, a criança desenvolve a imaginação, as emoções e os sentimentos de forma prazerosa e significativa estimulando o próprio desenvolvimento social, emocional e cognitivo;, comenta.

Contornos drásticos

De acordo com a última pesquisa conduzida pelo instituto Pró-Livro, o número de leitores ativos no país caiu 5% (entre 2007 e 2012). A leitura passou do terceiro lugar, entre as atividades realizadas no tempo livre, para o sétimo. O quadro nacional ganha contornos ainda mais drásticos em várias regiões do DF. Na Fercal, por exemplo, 82,95% dos moradores nunca abriram um livro. Os números da Codeplan, segundo a professora Vivina, ;mostram a péssima situação da cultura e das artes no DF;. Um cenário que ela teve a oportunidade de acompanhar de perto, já que também lecionou na Universidade de Brasília (UnB).

Autora da obra Psicologia e psicologia escolar no Brasil, Vivina enfatiza a importância de se promover uma iniciação cultural ainda na infância. ;A cultura, a arte e os livros estão positivamente disponíveis para as crianças ; e dependem do exemplo e incentivo dos pais! Isso é fundamental para uma boa educação e formação de personalidades saudáveis na sociedade.;

Ela não se esquece da responsabilidade do governo e aproveita para questionar: ;Como estão as políticas públicas no Brasil nessa área? Existem políticas para incentivar a leitura? Existem bibliotecas?; Enquanto isso, o Teatro Nacional permanece como abrigo de moradores de rua, os artistas do Riacho Fundo continuam sem palco e alunos da Ceilândia ainda devem demorar para assistir a primeira peça de teatro.



Cultura no Brasil

89%
Percentual de pessoas,
no país, que nunca foram
a um concerto de música clássica

75%
Percentual de pessoas,
no país, que nunca assistiram
a um espetáculo de dança

71%
Percentual de pessoas, no país, que nunca
estiveram em exposições
de artes plásticas

61%
Percentual de pessoas,
no país, que nunca assistiram
a uma peça de teatro


42%
Percentual de pessoas,
no país, que nunca foram
à biblioteca

Fonte: Sesc/Fundação Perseu Abramo. Levantamento realizado, em 2013, com 2.400 pessoas de 139 municípios, de 25 estados.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação