Acidente com helicóptero mata filho de Alckmin

Acidente com helicóptero mata filho de Alckmin

Caçula do governador paulista está entre as cinco pessoas que perderam a vida na queda de uma aeronave, que fazia um voo experimental, na Grande São Paulo

JOÃO VALADARES
postado em 03/04/2015 00:00
 (foto: TV Globo/Reprodução)
(foto: TV Globo/Reprodução)

Thomaz Rodrigues Alckmin, 31 anos, filho caçula do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), morreu, na tarde de ontem, durante a queda de um helicóptero que caiu sobre uma residência na cidade de Carapicuíba, na Grande São Paulo. Thomaz, pai de duas filhas, era formado em administração de empresas e pilotava helicópteros profissionalmente. Outras quatros pessoas ; o piloto e três mecânicos ; também perderam a vida no acidente. A primeira-dama, Lu Alckmin, estava em Campos do Jordão e chegou por volta das 21h50 de ontem ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulistano. Alckmin estava cumprindo agenda de trabalho no interior do estado e voltou para contar pessoalmente à mulher sobre a morte do filho.

Pessoas próximas ao tucano relataram à imprensa que o governador tentava convencer o filho a parar de voar. A aeronave, registrada no nome da Seripatri Participações, do empresário José Seriperi Júnior, proprietário da empresa Qualicorp, caiu às 17h20 num condomínio localizado nas proximidades do km 26 da Rodovia Castello Branco. O empresário era amigo de Thomaz. A aeronave estava em fase de testes e fazia um voo experimental, com a finalidade de fazer o que se chama de balanceamento porque uma pá do rotor principal havia sido substituída.

Com a queda, a cauda da aeronave ficou sobre a residência e a maior parte do helicóptero, no chão, entre árvores. De acordo com o Corpo de Bombeiros, não houve nenhum ferido em solo. Os moradores da casa atingida não estavam no local.

De acordo com Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave, modelo EC 155, da fabricante Eurocopter France, prefixo PP-LLS, estava com a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia e com o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido.

Informações extraoficiais apontam que, no momento da queda, Thomaz Alckmin estava como copiloto do helicóptero. Até o fechamento desta edição, o Corpo de Bombeiros não havia informado os nomes das outras quatro vítimas.

A empresa Seripatri, proprietária do helicóptero, divulgou, inicialmente, nota comunicando que havia apenas quatro mortos. ;Ocupavam a aeronave o piloto da empresa, com mais de 30 anos de experiência, e o mecânico, também funcionário da Seripatri. Os outros dois ocupantes eram mecânicos da Helipark, empresa de manutenção.;

O helicóptero tinha aproximadamente quatro anos de uso, com aproximadamente 600 horas de voo. ;Neste momento de luto e enorme tristeza para todos, a Seripatri está prestando toda a assistência necessária aos familiares das vítimas, bem como já destacou profissionais para acompanhar com as autoridades as investigações das causas do acidente;, ressaltou a empresa. O helicóptero caiu nas proximidades de um supermercado. Muitas pessoas que faziam compras se assustaram com o barulho da queda.

Tiroteio
No ano passado, o filho do governador sofreu uma tentativa de assalto em frente ao Clube Paineiras, no Morumbi, distante apenas 1km do Palácio dos Bandeirantes. O carro dele foi cercado por bandidos no momento em que ele levava a filha para casa. Na ocasião, houve troca de tiros entre os seguranças e os bandidos. Ninguém ficou ferido. Em 2002, ele já havia sido alvo de criminosos. Um PM que fazia a segurança de Thomaz foi baleado e morreu após trocar tiros com bandidos na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo.
Colaborou Luiz Calcagno


Perfil

Piloto há seis anos
Administrador de empresas, Thomaz Rodrigues Alckmin tinha paixão por aviação. Pilotava profissionalmente helicópteros há seis anos. O filho do governador era casado com Thaís Fantato. Tinha duas filhas, uma de 10 anos e outra de 1 mês. Ao saber da notícia, Fabíola Trombelli, a mãe da filha mais velha, que estava na Noruega, ligou para o governador. À imprensa, a ex-mulher de Thomaz relatou que Geraldo Alckmin não conseguia falar. ;O doutor Geraldo só chorou;, disse ao jornal O Estado de S.Paulo. Amigos relataram nas redes sociais que Thomaz era bastante apegado à mãe. Sempre a consultava para tomar qualquer decisão. No perfil da mulher dele no Instagram, há fotos dele pilotando um helicóptero. Thomaz era irmão de Sofia e Geraldo. Na página oficial do governador Geraldo Alckmin no Facebook, numa das imagens, ele aparece com farda de piloto sorrindo ao lado dos dois irmãos. (JV)



Memória

Acidentes aéreos nos últimos 12 meses


2 de maio de 2014
Um helicóptero do modelo EC120/Colibri, da Polícia Rodoviária Federal, caiu no aeródromo de Luziânia. O acidente ocorreu no fim da tarde. Como a aeronave sobrevoava a baixas altitudes, a cabine não foi danificada. Os três policiais abordo saíram ilesos. Eles estavam em uma operação policial e monitorava a BR-040, uma área de Luziânia com muitos assaltos, de acordo com a corporação.

13 de agosto de 2014
O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, morreu em um acidente aéreo em Santos. O jato Cessna 560 XL havia decolado do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, rumo à Base Aérea de Santos, no Guarujá. Além de Campos, outras seis pessoas morreram. A aeronave caiu em uma área residencial ferindo 11.

27 de dezembro de 2014
Um helicóptero caiu em Bertioga, São Paulo, próximo à Rodovia Rio-Santos, matando cinco pessoas, entre elas, duas crianças. O acidente aconteceu na manhã de 27 de dezembro, um sábado, na altura do km229 da Rodovia SP-055. Três dos cinco ocupantes do helicóptero eram da mesma família. Entre as vítimas estava Marcelo Müller, de 33 anos, neto do fundador da Cachaça 51.

10 de janeiro de 2015
Um avião monomotor caiu em uma área residencial em Luziânia, a 58km de Brasília. O acidente com a aeronave Embraer 710 Série Stol ocorreu por volta das 19h, pouco depois da decolagem, no Aeroclube de Brasília, na mesma cidade. A cerca de 1,5km do local, a aeronave colidiu em uma antena de televisão antes de atingir uma casa no centro de Luziânia. O piloto, João Henrique Baeta, 40 anos, e a namorada, a nutricionista Maysa Santos, 36, morreram no local. Outras duas pessoas ficaram feridas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação