Violência e medo no Lago Sul

Violência e medo no Lago Sul

Dupla de criminosos invadiu chácara na QI 25 e amarrou dois caseiros. Mais tarde, trio assaltou loja em shopping na QI 11 e, na fuga, um dos bandidos disparou contra um gerente que corria atrás dos assaltantes. A vítima foi atingida na virilha

» NATHÁLIA CARDIM » MARYNA LACERDA
postado em 03/04/2015 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

A insegurança preocupa quem mora e trabalha no Lago Sul. Uma das regiões mais nobres do Distrito Federal, a área foi palco de dois crimes contra o patrimônio, na manhã de ontem, com direito a tiroteio e caçada policial. Primeiro, uma dupla de assaltantes invadiu uma chácara na QI 25 e amarrou duas pessoas. Poucas horas depois, uma loja de produtos eletrônicos, em um centro comercial na QI 11, também foi assaltada e, na ação, um homem acabou ferido. Dois dos três envolvidos no segundo roubo foram capturados menos de uma hora depois, nas imediações da QI 9. O terceiro seguia foragido até o fechamento desta edição. Os casos ocorrem no mesmo dia em que balanço da Secretaria de Segurança Pública (veja Insert) indica um aumento de 70% dos roubos a residência, no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado.


O assalto à loja ocorreu às 11h30. Nem o horário de intenso movimento na área nem a proximidade com o 5; Batalhão de Polícia Militar, na QI 11, foram empecilhos para os três homens. Eles renderam a dona do estabelecimento e uma funcionária com um revólver calibre 38 e exigiram a entrega de dois aparelhos celulares, um notebook e dos R$ 140 que estavam no caixa. Dois deles fugiram pela entrada principal do centro comercial, e o outro, por uma porta voltada para o estacionamento lateral. A movimentação chamou a atenção do gerente comercial Heber Veloso, 29 anos. Ele trabalha em uma loja ao lado e, ao se dar conta do crime, correu atrás dos ladrões para tentar recuperar a quantia levada.

No estacionamento do shopping, um dos criminosos atirou na direção dele, ferindo-o na virilha esquerda. Veloso foi operado, no fim da tarde de ontem, e segue internado no Hospital de Base sem risco de morrer. Apesar do susto, a proprietária da loja, Kátia Vasconcelos, 44 anos, manteve-se calma. ;Falei para eles (assaltantes) não chamarem muito a atenção, para que não fossem descobertos;, conta. Segundo ela, o único pedido foi de que os criminosos fossem embora rapidamente.


Kátia diz que o primeiro bandido entrou na loja e pediu para fazer orçamento de capas para celular. Minutos depois, ele retornou com um comparsa e, para esperar que uma cliente fosse embora, fotografaram modelos de capas. ;Quando a moça foi embora, eles anunciaram o assalto. Estavam malvestidos, mas não os julguei;, afirma a proprietária. Os dois prenderam Kátia e a funcionária em um depósito para recolher os produtos. ;Eles nos ameaçaram, dizendo para não olharmos para os rostos deles, senão atirariam;, lembra.


Dois dos três ladrões foram capturados pela Polícia Militar em uma rua sem saída na QI 9. Um deles é menor de idade e o outro não teve a identidade divulgada pela Polícia Civil. Apesar de o crime ocorrer às vésperas do feriado da semana santa, eles não são beneficiários do saidão de Páscoa.

Reféns em casa
Mais cedo, por volta das 10h, uma dupla encapuzada invadiu uma chácara, na QI 25 do Lago Sul e rendeu funcionários. Dois caseiros trabalhavam no viveiro da residência quando foram abordados. Eles foram obrigados a deitar no chão e, então, amarrados. Um terceiro caseiro, que estava de folga, mas que também mora na casa, desconfiou, de longe, da ação e acionou a polícia. Os ladrões perceberam o movimento, levaram os celulares das duas vítimas e fugiram a pé. Na fuga, deixaram os aparelhos próximos à entrada da chácara. Quando a Polícia Militar chegou ao local, montou o cerco, mas não conseguiu localizar os bandidos. A 10; Delegacia de Polícia (Lago Sul) investiga os crimes. Até o fechamento da edição, os dois assaltantes ainda não haviam sido identificados nem encontrados. A hipótese de relação entre os dois crimes está descartada.


Memória

23 de janeiro de 2015

Mais um assalto a um posto de combustível. Dessa vez, o crime ocorreu na QI 27 do Lago Sul. Pelo menos cinco suspeitos, segundo a Polícia Civil, fugiram com o carro de um dos clientes, além de cerca de
R$ 1 mil, celulares e carteiras das vítimas. De acordo com a polícia, os bandidos renderam seis pessoas, entre elas, frentistas, funcionários da loja de conveniência e clientes.


21 de maio de 2014

Uma confeitaria, na QI 9, foi assaltada por quatro homens. Os criminosos invadiram a loja, por volta das 19h, e renderam os funcionários para o subsolo. No salão da confeitaria, roubaram celulares, dinheiro e objetos pessoais dos clientes. Os ladrões fugiram.


2 de fevereiro de 2014

Três assaltantes armados entraram na casa de um embaixador aposentado, na QL 26 do Lago Sul, próximo à Ponte JK. O crime aconteceu por volta das 20h. Jório Dauster, 76 anos, e o caseiro ficaram reféns dos bandidos por cerca de uma hora e meia. Os suspeitos, ameaçaram as vítimas com facas e armas de fogo. Os assaltantes amarraram as mãos do embaixador e do caseiro e os deixaram presos na suíte da casa, onde também estavam a esposa do embaixador e a empregada doméstica. O trio fugiu com o carro do diplomata. Os assaltantes foram localizados em São Sebastião.


Balanço da criminalidade

Apesar do assalto à loja de produtos eletrônicos no Lago Sul, o número de roubos e furtos a comércios no DF apresentou queda no primeiro trimestre de 2015. De janeiro a março deste ano, foram registrados 823 roubos contra 1.545 do mesmo período de 2014. Em relação aos furtos, houve 997 registros, menos do que no ano passado, quando, nos três primeiros meses, ocorreram 1.219 casos. Já os assaltos a residências aumentaram 70%. Este ano, foram 68 contra 40 do ano anterior. O balanço de estatísticas criminais divulgado pela Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social também mostra que os assassinatos diminuíram 11%: 168, de janeiro a março de 2015, contra 189 no mesmo período de 2014.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação