Porta de saída

Porta de saída

Depois de o Uberlândia anunciar que está fora do NBB, chega a vez de o Vizinhança avaliar se continuará na liga feminina. Time brasiliense venceu um único jogo em dois campeonatos

VÍTOR DE MORAES
postado em 03/04/2015 00:00
 (foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 12/3/15)
(foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 12/3/15)


O Uberlândia jogou a toalha. A saúde financeira da universidade patrocinadora tirou a equipe do Triângulo Mineiro da temporada 2015/2016 do Novo Basquete Brasil (NBB). Professores e funcionários da Universo são prioridade, e os jogadores serão dispensados. A preocupação não chegou ao basquete masculino brasiliense, sem ameaça de extinção do UniCeub/BRB. No feminino, porém, há indefinição. Os próximos meses serão de muita discussão no Vizinhança para definir o futuro.

Na estreia das mulheres na Liga de Basquete Feminino (LBF), em 2013/2014, a equipe terminou na oitava e última colocação, sem vitória. Na edição 2014/2015, o Vizinhança venceu uma partida em 18 disputadas. Em meados de março, o presidente da agremiação, Gerson Dias de Lima, cravou: precisa de pelo menos R$ 700 mil para montar um elenco competitivo. Se continuar com os R$ 100 mil injetados pelos patrocinadores, nada de LBF.

Até agora, as conversas estão lentas. Segundo os patrocinadores ouvidos pela reportagem, ainda não houve nenhuma oferta do clube para renovar os vínculos. ;O assunto não foi para a pauta porque não houve proposta deles. Patrocinamos o time duas vezes, o que não quer dizer que vamos renovar ou não;, despista o superintendente de Marketing do BRB, Carlos James Neto.

Fábio Deboni, gerente executivo do Instituto Sabin, foi mais direto. ;Existe pré-disposição para renovar. Não recebemos uma nova proposta, mas estamos totalmente abertos para analisá-la e fazer uma avaliação da temporada;, assegurou. Segundo Deboni, a única certeza é que deve haver um reajuste pela inflação do período, no caso de mais um contrato. A Super Bolla, fornecedora de material esportivo, confirmou um acerto para 2015/2016.

Contratos encerrados

Os salários das jogadoras variaram entre R$ 800 e R$ 6 mil. Todas tiveram os contratos encerrados quando o Vizinhança foi eliminado, após perder para Jaraguá, por 69 x 52, na última rodada da primeira fase. De acordo com a assessoria de imprensa da equipe, a intenção não é aumentar o número de patrocinadores, mas reajustar os valores com os apoiadores do último campeonato. A avaliação interna é que são baixas as chances de não haver equipe brasiliense na próxima LBF.

A temporada 2014/2015 começou no fim de novembro de 2014, e assim deve ser nos últimos meses de 2015. Portanto, ainda há certa folga em relação a prazos. A única competição próxima é o Campeonato Brasiliense, no fim do mês. O Vizinhança deve inscrever quatro equipes, mas todas de base, sem atletas profissionais.




"O assunto não foi para a pauta porque não houve proposta deles. Patrocinamos o time duas vezes,
o que não quer dizer que vamos renovar ou não;

Carlos James Neto,
superintendente de Marketing do BRB, um dos patrocinadores do Vizinhança





R$ 700 mil
Valor que o Vizinhança quer de patrocínio para montar um time competitivo






Saiba mais

Bom para o lanterna

A desistência do Uberlândia de disputar o próximo torneio do Novo Basquete Brasil (NBB) impossibilitará um rebaixamento nesta temporada. De acordo com o regulamento do campeonato, o último colocado herda a vaga da franquia que abandonar o NBB. Lanterna, a Liga Sorocabana tem uma partida para sair da situação incômoda. Mas não precisa fazer tanto esforço assim.







Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação