Aprendendo a aprender

Aprendendo a aprender

Por Maria Paula
postado em 17/05/2015 00:00


Qual nível de expectativas é o mais saudável de se ter?

Quando jogamos lá no alto nossas metas, podemos tanto alcançá-las e até superar nossas marcas anteriores. Quando não atingimos, experimentamos o gosto amargo da frustração.

Mas como saber o que poderá acontecer conosco e agir da forma mais apropriada, evitando o risco de se frustrar desnecessariamente, sem, no entanto, desperdiçar a chance de se nivelar por cima?

Na última semana, o respeitadíssimo psicanalista Jacob Pinheiro Goldeberg me contou sobre um novo projeto que ele está desenvolvendo com seu grupo em São Paulo. Ele me dizia, com os olhos brilhando, que seu objetivo era possibilitar a pessoas com o QI de 120, por exemplo, ampliar seus resultados e equipará-los ao de pessoas cujo QI era de 180.

Fiquei fascinada e perguntei imediatamente: como será possível que se consiga chegar a tais resultados?

Sua resposta foi simples: estratégia.

Obviamente, o grupo a que ele se referia vem trabalhando coletivamente há bastante tempo sob sua supervisão e não chegou a esses resultados num passe de mágica. Mas o fato é que o trabalho deles me fez perceber que, com um nível de comprometimento profundo e esforço sistemático a longo prazo, até coisas que parecem impossíveis podem acontecer.

Quando o assunto é o aprendizado e o aproveitamento de nosso coeficiente intelectual, podemos realmente ir além de nossos supostos limites, lançando mão das estratégias adequadas.

Infelizmente, não faço parte do grupo que comentei acima; portanto, não tenho embasamento suficiente para compartilhar com o amigo leitor detalhes do plano estratégico tão revolucionário usado por eles, mas algumas coisas simples, certamente, podem ser de bom uso.

Primeiramente, quando for estudar algo novo ou com um nível de dificuldade alto, prepare-se adequadamente.

Não tenha pressa, a ansiedade geralmente atrapalha.

Esteja bem alimentado, escolha um ambiente silencioso e arejado e, principalmente, respeite os limites de seu corpo. Quando se sentir cansado, feche o livro e vá dormir. No dia seguinte, com a cabeça fresca, sua concentração certamente será muito maior.

E lembre-se sempre de que sempre é tempo de aprender; inclusive de aprender a aprender!

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação