Amor de cinema

Amor de cinema

Em uma sessão na manhã de ontem, em um shopping da cidade, Paula ficou noiva de George. A iniciativa foi dela, com a ajuda de banda e companhia de comédia famosas da capital

JULIANA CONTAIFER
postado em 18/05/2015 00:00
 (foto: Claudio Reis/Esp. CB/D.A Press




)
(foto: Claudio Reis/Esp. CB/D.A Press )


George Porto, 39 anos, foi com a namorada, Paula Prestes, 32, pegar um cinema na manhã de ontem e saiu noivo da sala de exibição. O pedido inusitado ocorreu antes da exibição do documentário sobre o grupo Los Hermanos, em um shopping da cidade. André Gonzales, vocalista da banda Móveis Coloniais de Acaju e líder do projeto Sr. Gonzales, no qual toca serenatas, encenava uma radionovela para o público, acompanhado de Adriana Nunes e Adriano Siri, da Cia. de Comédia Melhores do Mundo. O cantor ;escolheu; a história de amor de Paula e George, que estavam sentados na primeira fila.

A trama contava parte da vida deles: a festa na qual eles se conheceram, os problemas de uma relação a distância ;; ela morava em Porto Velho e ele se mudou para Brasília ;;, e um passageiro término. No ápice do suspense, os espectadores souberam que Paula resolveu seguir em frente e avisou George da decisão. No mesmo dia, o celular da bióloga caiu no vaso sanitário e ela se desencontrou do novo pretendente. Ao chegar em casa, frustrada pelo encontro que não deu certo, Paula encontrou George, que havia voado para Porto Velho e pulado o muro da casa dela. Reataram o namoro.

A história ocorreu há nove anos. Estão juntos desde então. No fim da radionovela, Paula foi ao palco e pediu George em casamento. A resposta? ;Lógico!”. ;Fazia um tempo que eu vinha pensando em pedir ele em casamento, mas eu queria que fosse um pedido especial, algo inusitado e diferente. Eu sempre quis me casar com festa e, depois que começamos a morar juntos, o foco mudou. Vi uma postagem no Facebook do André que convidava quem quisesse fazer um pedido de casamento a entrar em contato contando a história, e achei uma boa ideia para recomeçar o assunto;, conta a bióloga.

O primeiro desafio, depois da confirmação do plano, foi convencer George a ir ao cinema em um domingo de manhã. Paula inventou um evento sobre bicicletas ; George já fez viagens em duas rodas e usa o veículo para ir ao trabalho todos os dias ;; com exibição de filme gratuito. Para garantir que ele não desistiria, ela pediu para que Gabriel, um amigo do geógrafo que não o via há muito tempo e que já fez parte do Móveis Coloniais, marcasse um encontro.

Sonoplastia
Ontem, George não desconfiou do plano até estar sentado no cinema e a história chegar à metade. Como uma boa radionovela, o grupo fez toda a sonoplastia ao vivo. George, aliás, estava prestando mais atenção aos sons do que à história. Quando ouviu o nome de Paula, cutucou a namorada: ;Ó, seu nome!” Quando apareceu um mapa do Brasil na tela, explicando que ele é de Florianópolis e ela de Rondônia, a ficha caiu. ;Quando percebeu a nossa história, ele chorava e ria, chorava e ria. Eu fiquei com um pouco de medo de fazer o pedido, insegura, mesmo com tanto tempo juntos. Mas foi um risco que decidi correr;, lembra a agora noiva.

Agora, o casal começa a pensar em uma data para o casamento e como será a logística de trazer a família de Paula de Rondônia e todos os amigos e familiares de Paulo de Florianópolis. Homenageando a seca típica da cidade que abrigou o casal, a ideia é uma festa em junho, com os desafios de organizar um evento diferente e com o orçamento limitado. Nada impossível para quem pensou em um pedido tão inusitado em um domingo de manhã.

O mar de Brasília em outra cor


O céu nublado dos últimos dias também traz cores inusitadas para o pôr do sol do brasiliense. Os tons vermelhos e alaranjados no horizonte de cidade, no fim do dia, têm chamado a atenção dos moradores da capital. Há quem diga que a coloração significa frio ;; o que coincide com o inverno que chega forte por aqui. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, não há ligação, uma vez que o aparecimento das tonalidades é um fenômeno puramente ótico, que não está ligado à temperatura: pode ocorrer tanto no frio, quanto no calor. Mas o brasiliense deve continuar com os casacos em punho. Hoje, a mínima chega a 14;C, e nos próximos dias a 13;C.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação