Saiba mais

Saiba mais

postado em 27/05/2015 00:00
Como chegar
; Há dois caminhos para chegar a Seychelles. Saindo de São Paulo, é possível optar por uma conexão em Johannesburgo, na África do Sul, ou em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. De lá, saem aviões da Air Seychelles, companhia estatal responsável pelo transporte de turistas até a ilha. O vôo de São Paulo a Abu Dhabi é longo ; cerca de 14 horas ; e, depois de seis horas de escala, há mais cinco horas até Mahe.

Como entrar
; Não há febre amarela em Seychelles, uma vez que o mosquito responsável pela transmissão da doença não existe no território seychelloise. Mesmo assim, é preciso tomar a vacina de febre amarela com até dez dias de antecedência à viagem. Para saber quando a vacina estará disponível, basta se dirigir ao posto de saúde mais próximo. Pessoas que já tomaram a vacina duas vezes não precisam mais se imunizar, desde que possam comprovar as aplicações. Em seguida, é preciso que o certificado de vacina seja internacional. Para imprimir o comprovante e receber o cartão internacional de vacina, é preciso ir ao posto da Anvisa no aeroporto de Brasília, preencher um formulário e apresentar os comprovantes. É preciso apresentar o cartão no ato do embarque no Brasil e ao chegar a Seychelles.

Como se locomover
; O melhor meio de se locomover dentro das ilhas é alugando um carro ; a diária fica na casa dos 45 euros. Como o país foi colonizado pelos ingleses, os seychelloises dirigem à direita, e é preciso prestar atenção nas vias estreitas e mal iluminadas à noite. O sistema de ônibus também funciona relativamente bem, apesar da frota ser pequena e antiga. A passagem custa cinco rúpias, cerca de 25 centavos de dólar. Entre Mahe, La Digue e Presin, uma balsa faz o percurso, que também pode ser feito por avião ou helicóptero. Em La Digue, o transporte é feito por bicicletas ou por carro de boi.

Onde se hospedar
; Seychelles tem opções para todos os gostos. Para quem viaja economicamente, há aluguel de quartos em casas de família. Mas o forte do arquipélago são os resorts. O novíssimo Savoy Resort e Spa, construído em 2013, oferece quartos amplos, com ar condicionado (item essencial para sobreviver ao calor), banheira, televisão e frigobar à poucos metros da praia de Beau Vallon.

; Aos que procuram um destino de luxo, o Four Seasons Seychelles é uma excelente opção. Por mil euros a noite ; no quarto mais barato, enquanto os bangalôs com vista custam o triplo do valor ;, o hóspede tem à disposição uma piscina particular com vista para a praia privativa de Petit Anse.

; Em Praslin, o hotel Acajou Beach Resort oferece uma hospedagem menos luxuosa, mas muito bonita e bem cuidada na praia de Anse Volbert. A maioria dos quartos tem vista para o mar e a piscina do resort é de borda infinita com vista para a praia.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação