Estatal de logística não é citada

Estatal de logística não é citada

postado em 10/06/2015 00:00

Quando anunciou a primeira etapa do Programa de Investimento em Logística (PIL) em agosto de 2012, a presidente Dilma Rousseff também divulgou a criação de uma estatal para executar os projetos, a Empresa de Planejamento e Logística (EPL). Ontem, durante o anúncio do novo programa de concessões, no entanto, essa empresa nem sequer foi citada por Dilma ou por qualquer um de seus ministros presentes ao evento, que ocorreu com toda a pompa, no Palácio do Planalto, com o objetivo de deixar a agenda mais positiva.

Na avaliação do especialista em logística Rodrigo Vilaça, presidente da divisão ferroviária da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), a ausência da EPL no anúncio dessa etapa do programa de privatizações de Dilma mostra um reconhecimento do Executivo de que cometeu um equívoco ao criar a estatal. ;O governo entendeu que errou. E se errou não comenta. Na minha avaliação, não existe dúvida de que é possível fazer planejamento com os ministérios integrados, de forma sistemática, porque todos os órgãos possuem suas secretarias para essa finalidade;, destacou.

Ao ver de Vilaça, a EPL se tornou totalmente dispensável e desnecessária, como vários ministérios do governo petista, que só aumentam o custo da máquina pública. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) seria um órgão que cumpriria bem a função de planejamento, pois é bastante alinhado com vários ministérios.

De acordo com um levantamento feito pela ONG Contas Abertas no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siaf), desde que foi criada, em 2012, a EPL gerou R$ 195,9 milhões em despesas aos cofres públicos até dezembro de 2014. A estatal tem sede em dois andares de um dos prédios com um dos mais altos aluguéis da capital federal, emprega 170 pessoas e tem a autorização de contratar mais 11 pessoas.

A assessoria de imprensa da estatal, que tinha como uma das funções fazer o projeto do trem-bala nem sequer citado no novo programa, informou que os técnicos da companhia participaram das discussões de coordenação do programa. Além disso, disse que ;vários projetos estão sendo tocados pela EPL; e serão anunciados ;em breve;. No entanto, quando questionada sobre quais seriam, a empresa não deu retorno até o fechamento desta edição. Procurados, os ministérios do Planejamento e da Fazenda não comentaram o fato de a EPL não ter sido mencionada durante o anúncio. (RH)


  • HSBC sairá do Brasil e da Turquia

    Em comunicado, ontem, o HSBC anunciou que pretende encerrar as operações no Brasil e na Turquia e investir mais na China e na região da Associação das Nações do Sul Asiático (Asean), dentro de um plano de reestruturação. No Brasil, no entanto, pretende manter o atendimento a grandes clientes corporativos. No país, o HSBC possui cerca de 20 mil funcionários, que, segundo o informe, devem ser absolvidos pelos futuros compradores. Bradesco e Santander demonstraram interesse pela aquisição do banco no Brasil.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação