O menino de Paracatu

O menino de Paracatu

postado em 10/06/2015 00:00
 (foto: Arquivo Pessoal


)
(foto: Arquivo Pessoal )


Cidade de Paracautu, noroeste de Minas Gerais. Um pedreiro e uma dona de casa recebem, com alegria, a chegada do primogênito, que foi batizado com o nome de Joaquim. Depois dele, vieram mais sete filhos. Com a separação dos pais, Joaquim passou a ser arrimo de família.

Aos 16 anos, veio sozinho para Brasília. Ansioso por arranjar um emprego, conseguiu na gráfica do Correio Braziliense, onde trabalhou com afinco valorizando, como ninguém, o seu primeiro emprego. Ao terminar o segundo grau, sempre estudando em colégio público, Joaquim obteve bacharelado em Direito pela Universidade de Brasília, onde, em seguida, obteve mestrado em Direito do Estado.

O menino de Paracatu tornou-se o doutor Joaquim Benedito Barbosa Gomes. Foi Oficial de Chancelaria do Ministério das Relações Exteriores, entre 1976 e1979, tendo servido na Embaixada do Brasil em Helsinki, na Finlândia. De volta, foi advogado do Serpro, entre 1979 e 1984.
Sempre dedicado e disciplinado, prestou concurso público para Procurador da República, e foi aprovado. Licenciando-se do cargo foi estudar na França, onde ficou por quatro anos, obtendo o mestrado e doutorado em Direito Público, pela Universidade de Paris-II (Panthéon-Assas), de 1990 e 1993.


Retornou ao cargo de procurador, no Rio de Janeiro, e prestou concurso para professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Foi visiting scholar no Human Rights Institute da faculdade de direito da Universidade Columbia em Nova York, entre 1999 e 2000 e na Universidade da Califórnia, a Los Angeles School of Law, de 2002 a 2003.

Fez estudos complementares de idiomas estrangeiros no Brasil, na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Áustria e na Alemanha, sendo fluente em francês, inglês, alemão e espanhol. Foi indicado ao cargo de Ministro do Supremo Tribunal Federal ; STF ; pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2003.

De lá para cá, todos os brasileiros conhecem sua trajetória e aprenderam a admirar esse homem que nasceu para vencer, não obtendo as vantagens oriundas de facilidades e apadrinhamentos, mas através de seu esforço e vontade de vencer percorrendo os caminhos ;pelas próprias pernas;.

No domingo, 31 de maio, chega-nos a grata notícia de que aquele menino de Paracatu se tornou Doutor Filosofia Honoris Causa, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Visivelmente emocionado, com sua timidez característica ainda mais exacerbada, o brasileiro ilustre Joaquim Barbosa ouviu, junto às autoridades que o ladeavam, a justificativa de tão importante e significativa homenagem:

;A Cidade Hebraica de Jerusalém concede ao ministro Joaquim Barbosa, o título de prestígio que reconhece o seu exemplo de notável figura pública, durante o exercício de sua função como presidente do Supremo Tribunal Federal. Devido à sua inabalável oposição à corrupção pública e política, sua personalidade firme e determinada, deu origem a atos de total apoio a multiculturalismo e igualdade social, acompanhado de sua determinação e perseverança, para avançar nessas causas. Apreciamos seu compromisso incondicional, com os valores e princípios públicos e políticos. Assim, a Universidade Hebraica tem o orgulho de conceder-lhe o título de Doutor Filosofia Honoris Causa, da Universidade Hebraica de Jerusalém e todos os direitos e privilégios correspondentes a este, outorgados em Jerusalém, no dia 31 de maio de 2015;.

Homens como ele são exemplo e nos dão orgulho de sermos brasileiros!

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação